Em destaque

13 de Dezembro de 2017: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.5148 patacas e 1.1755 dólares norte-americanos.

UE elogia respeito pelas liberdades mas pede mais democracia
Segunda, 14/05/2012

A União Europeia espera ver Macau a caminhar para uma sociedade mais democrática. A ideia consta do relatório de Bruxelas sobre a situação da RAEM no ano passado. Um documento de quatro páginas, divulgado hoje, e que aborda temas que vão da política à economia, passando pela integração regional e as relações bilaterais.

 

Neste relatório sobre a situação de Macau em 2011, a União Europeia reconhece a “implementação satisfatória do princípio ‘um país, dois sistemas’, de acordo com a Lei Básica. Os autores sublinham que “os direitos fundamentais e as liberdades da população de Macau” foram “respeitados”, mas manifestam também o desejo de ver “mais progressos no sentido de uma maior democracia”, no “enquadramento da Lei Básica” e tendo em conta “os desejos” dos cidadãos de Macau.

 

A nível do desenvolvimento político do território, Bruxelas destaca a iniciativa do Chefe do Executivo no final do ano passado - que abriu a porta à reforma política – e também a entrada em funcionamento da Delegação Económica e Cultural de Macau em Taipé.

 

Na área da economia, destaque para os “progressos notáveis” no alargamento dos acordos em matéria de tributação. Os números gordos das receitas do jogo e do Produto Interno Bruto (PIB) do território também não são esquecidos, mas os autores do relatório entendem que a diversificação económica continua a ser um “importante desafio”. Ainda assim, reconhecem melhorias a nível do sector das convenções e exposições e das indústrias criativas, destacando ainda a intervenção do Governo na organização de feiras e fóruns de larga escala.

 

No campo laboral, Bruxelas considera que a “rápida expansão do sector dos serviços” veio agravar o problema da escassez de mão-de-obra e lembra que o sector empresarial apela a um regime de importação de mão-de-obra “mais dinâmico e flexível”, para suprimir a falta de trabalhadores, especializados ou não.

 

A União Europeia mostra-se satisfeita com o reforço das relações com Macau a nível do ensino e da formação de intérpretes. Já no que diz respeito ao programa de troca de informações empresariais – o EUBIP -, há um apoio crescente por parte das câmaras europeias de comércio, mas os autores apelam a uma participação mais directa das indústrias sediadas em Macau.

 

Mas Bruxelas quer ainda mais cooperação com Macau, no futuro, em especial, a nível do intercâmbio cultural e académico.

 

Este é já o décimo relatório anual produzido pela União Europeia a respeito de Macau. Também hoje Bruxelas divulgou o relatório sobre Hong Kong.