Em destaque

13 de Dezembro de 2017: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.5148 patacas e 1.1755 dólares norte-americanos.

“en-Cantos” portugueses de 8 a 25 de Junho
Segunda, 14/05/2012

Macau vai ter uma quinzena de Portugal já no próximo mês. A iniciativa, que junta uma série de eventos de índole cultural, resulta da cooperação entre o Consulado-geral de Portugal na RAEM, a Casa de Portugal em Macau e o Instituto Português do Oriente. O evento oficial de abertura está marcado para 8 de Junho e o espectáculo que encerra a quinzena acontece no dia 25.

 

A quinzena, de nome “en-Cantos”, foi apresentada hoje de manhã no auditório da representação diplomática portuguesa no território. Pretende ser uma forma alargada de celebrar o 10 de Junho – Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portugueses. A designação tem uma razão de ser, explica o cônsul-geral Manuel Cansado de Carvalho: “É transmitir uma lembrança do encanto entre o Ocidente e o Oriente, e também jogando com a referência aos cantos, uma vez que, ao falarmos de Junho, estamos a falar de Camões”.

 

O evento de abertura chega da Tailândia. Trata-se de um documentário feito por uma televisão local sobre os 500 anos das relações entre o Sião e Portugal. A realizadora do filme, Yuwadee Vatcharangkul, vem a Macau apresentar o trabalho. Para o dia seguinte, a 9 de Junho, está marcado um concerto do violinista Carlos Damas, acompanhado por uma formação da Orquestra de Macau, no Teatro D. Pedro V.

 

Confirmada está também uma peça de teatro de Diogo Infante. Macau vai ser o palco de estreia de “Preocupo-me, logo existo”, a 25 de Junho, no final da quinzena portuguesa. De resto, sabe-se já que vai haver um ciclo de cinema e o lançamento de um livro do jornalista João Botas, em data a anunciar.

 

O programa ainda não está concluído mas, promete o cônsul, haverá em média um evento por dia. Em breve será lançada uma página no Facebook que servirá para actualizar as informações relativas ao “en-Cantos”.

 

Quanto ao orçamento, Manuel Cansado de Carvalho preferiu sublinhar a boa vontade e disponibilidade das instituições que se juntaram para a realização da quinzena, não tendo revelado números – não serão, porém, significativos.

 

A ideia da iniciativa é chegar a outras comunidades além das que falam português, destacou ainda o cônsul. “O conjunto de eventos foi pensado para ser acessível à comunidade portuguesa, sem dúvida, mas também a toda a população e a todos os visitantes de Macau. Os eventos ou são intrinsecamente interculturais ou, quando houver cinema, teremos a preocupação de que seja legendado”, frisou.

 

Apesar de o “en-Cantos” só ter início oficial a 8 de Junho, na próxima quarta-feira realiza-se já um evento inserido na iniciativa. “Correr o Fado” é um trabalho do Quorum Ballet que passou por Xangai e Cantão e que agora vai estar no auditório da Universidade de Macau.