Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Inflação e habitação dão mote às manifs do 1 de Maio na RAEM
Sábado, 30/04/2011
Nove associações locais saem à rua amanhã, 1º de Maio, em Macau. Um ponto comum nas palavras de ordem é o apelo à melhoria das condições de vida da população.

Combate à inflação, construção de mais habitação pública, melhores oportunidades para os trabalhadores e maior aposta na educação são outras das reivindicações.

A PSP anunciou ter recebido pedidos para que a manifestação passasse pela Avenida Horta e Costa e pela Avenida Almeida Ribeiro, mas recusou essas pretensões.

O percurso autorizado arranca domingo pelas 14 horas, no Jardim Triangular do bairro Iao Hon e termina junto ao Palácio do Governo.

A Associação de Mútuo Auxílio dos Operários de Macau, que esteve envolvida nos incidentes do ano passado, já fez saber que vai voltar a desfilar este ano no Dia do Trabalhador. À Rádio Macau, Lei Siu Kwan disse que um dos alvos do protesto é o aumento do custo de vida na RAEM. A situação da terceira idade é outro dos temas para os quais a associação quer chamar a atenção, além das questões da habitação e da inflação.

Para a Associação de Energia Adolescente, com ligações à Associação Novo Macau, é preciso investir mais da educação. Segundo disse à Rádio Macau o vice-presidente, Cheang Meng Hin, a educação deve ser uma das prioridades do Governo.