Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

AL: Pereira Coutinho não quer mais deputados indirectos
Segunda, 30/04/2012

José Pereira Coutinho não quer mais deputados indirectos na Assembleia Legislativa. O deputado considera que o Governo deve também diminuir o número de tribunos nomeados – mas a prioridade é não aumentar o número de assentos por sufrágio indirecto.

 

“Mais dois directos e acabou. Só espero isso, que não se mexa nos indirectos e que, se possível, haja um corte nos nomeados. Mas se não se conseguir mexer nos nomeados, que não se aumente nos indirectos. Vamos lá ver se conseguimos isso”, disse.

 

Pereira Coutinho está contra a fórmula 2+2 (o aumento de dois deputados directos e outros tantos eleitos pela via indirecta), opção esta que, ao que tudo indica, será o caminho a seguir pelo Governo.

 

A posição do também presidente da Associação dos Trabalhadores da Função Pública foi manifestada durante o programa Rádio Macau Entrevista, que pode ouvir aqui neste site. Entre outros temas abordados, Coutinho pronunciou-se sobre os problemas que enfrenta a comunidade macaense.

 

“À medida que Rita Santos, José Branco e Manuel Neves se forem embora, aposentando-se, não há substituição. Onde estão os jovens macaenses e portugueses na função pública?”, lança. O deputado assegura que “não há qualquer perseguição” aos macaenses – o problema, diz, é a “falta de oportunidades”.

 

“Uma coisa é o discurso bonito, floreado; outra coisa é o que se está a pôr em prática. Os alunos da Escola Portuguesa têm acesso à função pública? Não têm. Como é que podem competir num concurso em quem entram milhares de pessoas? Tem de haver excepções, dar oportunidade aos macaenses”, defende.