Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Edmund Ho “sabia dos casos de corrupção” de Ao Man Long
Sábado, 28/04/2012

Pereira Coutinho defende que Ao Man Long não devia ter sido o único membro da Administração a ser julgado no maior caso de corrupção de que há memória em Macau. Para o deputado, no banco dos réus devia ter estado também o antigo Chefe do Executivo.

 

“Como é que uma pessoa, Ao Man Long, consegue fazer tanta coisa sozinha? Não teve colaboração?”, lança. Instado a dizer a que “colaboração” se refere, Coutinho responde: “Toda a gente que esteve envolvida no processo – basta ver quem assinou os processos”. O deputado considera que “é evidente” que Ao Man Long não agiu sozinho. “É uma situação anedótica”, sublinha, no programa Rádio Macau Entrevista.

 

Condenado a 28 anos e meio de prisão por 81 crimes, Ao Man Long foi o único arguido a ser julgado e condenado por corrupção passiva – está, de resto, a ser julgado pela terceira vez desde o passado dia 16. Mas os projectos que foram apreciados em tribunal contam com assinaturas de outros membros da Administração, incluindo despachos de Edmund Ho.

 

“Como é que um Chefe do Executivo não sabe o que o subordinado faz? Então o Chefe não tem responsabilidades políticas? Estão todos. Os subordinados também”, vinca, fazendo referência à promoção do ex-subdirector das Obras Públicas, Chan Hon Kit, a coordenador do Gabinete para o Desenvolvimento de Infra-estruturas. O antigo Chefe do Executivo sabia dos casos? “É evidente que sabia”, replica.

 

Por entender que o ex-secretário para os Transportes e Obras Públicas não agiu sozinho, o deputado lamenta o modo como a justiça actuou. “O Ministério Público (MP) devia ter avançado com as acusações logo na primeira instância, quando ele [Ao Man Long] disse que, acima dos seis milhões, a responsabilidade não era dele.” Neste contexto, Coutinho reitera que o MP devia ter deduzido acusação também em relação ao ex-Chefe do Executivo.

 

Recorde-se que Edmund Ho não chegou sequer a ser ouvido em tribunal na condição de testemunha, apesar de ter sido arrolado no âmbito do terceiro processo conexo ao de Ao Man Long. O antigo Chefe do Executivo não prestou esclarecimentos à justiça porque Chui Sai On não autorizou o seu antecessor a comparecer na audiência, uma situação inédita em Macau que foi, na altura, muito contestada pelo deputado. 

 

Pereira Coutinho foi o convidado desta semana do programa Rádio Macau Entrevista, que pode ouvir na próxima segunda-feira, às 10h30, ou aqui no site da Rádio Macau.