Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Chefe do Executivo refuta acusações de Ng Kuok Cheong
Quinta, 26/04/2012

Não foi o tema que dominou o debate da tarde, mas deu origem a uma troca de palavras entre Ng Kuok Cheong e Chui Sai On. O deputado da Associação Novo Macau abordou o Chefe do Executivo sobre o modo como foi conduzido o processo de auscultação da população sobre o desenvolvimento do sistema político do território. “Não houve um inquérito científico”, apontou, lamentando ainda que não tenha sido contratada uma entidade independente para a recolha e análise das opiniões.

 

Ng Kuok Cheong acusou o Governo de irregularidades no processo e disse mesmo que até uma criança de 10 anos foi obrigada a subscrever a posição do Executivo. Chui Sai On foi directo na resposta: “Quer eu, quer os meus colegas não podemos aceitar as acusações do deputado Ng Kuok Cheong. Não recebi nenhuma queixa. Devo salientar mais uma vez, neste hemiciclo, que tanto eu como os meus colaboradores nunca fizemos o que o deputado acabou de referir. Este, de facto, é um ponto muito importante: o sucesso de Macau é o resultado da tolerância, do entendimento e do respeito. Por isso, o essencial é ouvir as opiniões e dar a oportunidade às pessoas para que manifestem as suas opiniões”.

 

O tema da reforma política tinha sido introduzido cerca de uma hora antes pelo deputado nomeado Tsui Wai Kwan que, ao contrário de Ng Kuok Cheong, considera que o Governo agiu bem em todo o processo de auscultação. O deputado chamou à colação os resultados de estudos feitos recentemente para salientar que a população desconhece o que esteve em análise.

 

Na réplica, Chui Sai On afirmou que os residentes se preocupam mais com outros assuntos do que com política. “A população em geral está mais preocupada com projectos que estão relacionados com a vida do quotidiano, comparando com o desenvolvimento do sistema político.” O Governo, assegura, aprendeu a lição: “Temos de realizar melhor as nossas acções. As associações e as instituições académicas também vão esforçar-se”.