Em destaque

22 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2311 patacas e 1.1378 dólares norte-americanos.

Alexis Tam: Pensão ilegal na UMAC é “inaceitável”
Segunda, 21/01/2019
O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura considerou “inaceitável” o caso da alegada pensão ilegal numa residência da Universidade de Macau (UMAC). Alexis Tam disse que, apesar da autonomia financeira e de gestão da Universidade, já pediu um relatório ao reitor.

“Fiquei surpreendido e também fiquei chocado. Como é possível a residência universitária servir como pensão ilegal? Para mim não é aceitável. Fiquei muito chocado com isto. Já falei com o reitor da universidade. Muito em breve ele vai apresentar-me um relatório da investigação, mas isso é trabalho da universidade porque a Universidade de Macau tem autonomia financeira, e de gestão de pessoal e administrativa e, portanto, eles têm que governar melhor a universidade”, afirmou.

De acordo com a imprensa chinesa, o estudante arrendava o quarto na plataforma Airbnb por valores entre 314 e 350 patacas. Na sequência deste caso, o aluno foi expulso da residência universitária.

O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura acredita que se trata de um “caso individual”, mas pede às universidades para “governarem melhor as instituições” para que este tipo de caso “não volte a acontecer”.
Alexis Tam reagiu ao caso à margem do Fórum Internacional de Gastronomia, que também contou com a presença da directora dos Serviços de Turismo.

Helena de Senna Fernandes disse que o Turismo recebeu uma denúncia do caso na semana passada, mas que os inspectores enviados para o local não puderam entrar.
Helena de Senna Fernandes disse que no relatório que recebeu sobre o caso é referido que os inspectores não conseguiram entrar na residência, mas que é preciso apurar se foi por falta de identificação ou outro motivo.
“O que vimos ‘in loco’ é que a segurança não deixa entrar outras pessoas sem cartões de estudantes. A segurança também nos disse que eles não têm detectado estes casos. Claro que vamos continuar a investigar, mas ao mesmo tempo já ouvimos que a própria universidade fez algumas diligências junto dos estudantes”, disse.
“Vamos continuar a seguir este caso e obter mais informações da universidade”, acrescentou.

Helena de Senna Fernandes adiantou que, depois de falarem com a empresa de seguranças da UMAC, os inspectores prestaram informações sobre a “Proibição de prestação ilegal de alojamento” e sobre “as acções que podem ir contra a lei existente”.

“Nem todas as universidades têm possibilidade de residência (...), mas temos de tomar algumas medidas de prevenção e fazer mais promoção [da legislação] junto das universidades”, sublinhou.

Fátima Valente