Em destaque

22 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2311 patacas e 1.1378 dólares norte-americanos.

Centro histórico: relatório e plano de gestão já na UNESCO
Quarta, 16/01/2019
Já deu entrada no Comité do Património Mundial da UNESCO o relatório sobre a situação do Património em Macau, incluindo o Plano de Gestão do Centro Histórico. A informação consta da página oficial da UNESCO na Internet e é adiantada hoje pelo Jornal Tribuna de Macau (JTM).

Segundo o diário, apenas está disponível uma versão resumida do documento que teve de ser submetido por Macau através da Administração Estatal do Património Cultural da China até 1 de Dezembro do ano passado. É um relatório que surge na sequência de alertas sobre o eventual impacto de alguns planos de desenvolvimento do território.

Ao JTM a UNESCO explica que a versão integral do relatório não foi publicada na íntegra na página electrónica a pedido do Governo chinês. O diário tentou ainda obter o documento junto do Instituto Cultural, mas o organismo rejeitou o pedido, alegando que “não é apropriado divulgar o relatório até à conclusão da avaliação”, que será efectuada durante a 43ª sessão do Comité do Património Mundial, agendada para o período entre 30 de Junho e 10 de Julho, no Azerbaijão.

No resumo tornado público, e divulgado hoje pelo jornal, a Administração Estatal do Património Cultural da China refere que o Plano de Salvaguarda e Gestão do Centro Histórico inclui “um conjunto de regulamentações abrangentes, sistemáticas e operacionais para garantir a preservação e manutenção do legado de valor universal excepcional do Centro Histórico”, mas não são adiantadas medidas concretas.

Ainda de acordo com o JTM, Pequim refere que Macau teve em consideração os requisitos de protecção do Centro Histórico de Macau também durante o desenvolvimento dos planos urbanísticos dos novos aterros – uma matéria que já tinha merecido alertas por parte da UNESCO. A Administração Estatal do Património Cultural da China refere que foram tomadas medidas que procuraram “incluir a protecção da paisagem histórica e urbana de Macau como cidade ‘de colinas e mar’”, lê-se também no JTM desta quarta-feira.

Sofia Jesus