Em destaque

20 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2173 patacas e 1.1350 dólares norte-americanos.

Secretário: "Derrapagens no Metro são problema do passado"
Sexta, 11/01/2019
Raimundo do Rosário garante que os atrasos e as derrapagens no Metro Ligeiro fazem parte do passado e que as empreitadas em curso estão a decorrer sem grandes desvios. Na Assembleia Legislativa, onde a situação do Metro Ligeiro esteve em debate, o secretário para os Transportes e Obras Públicas defendeu que nesta matéria vai deixar ao futuro Governo um legado muito mais positivo do que o que recebeu.

“Quanto às derrapagens e aos atrasos são problemas do passado. Agora, grande parte das obras que nós realizámos, os atrasos são uma minoria e é dentro de limites razoáveis. São poucos os casos de atrasos, são casos pontuais”, afirmou.

Raimundo Rosário também actualizou em 18 mil milhões de patacas o orçamento do projecto até ao momento: 11 mil milhões para a linha da Taipa, 4,5 mil milhões para a ligação à zona da Barra e 2,5 mil milhões em obras não acabadas. Quanto à linha leste da península de Macau, está em curso o estudo de viabilidade e Raimundo do Rosário diz que é impossível avançar com um orçamento.“Não tenho condições e penso que ninguém terá para avançar com um orçamento. Temos que realizar um estudo de impacto ambiental e depois os trabalhos de concepção que ainda não começaram”, apontou.

O secretário para os Transportes e Obras Públicas deixou também críticas aos deputados que defendem agora a suspensão do projecto. E lembrou que quando iniciou funções todos pediam máxima urgência na conclusão das obras.

“No passado nunca ouvi ninguém dizer que devíamos travar o projecto. E agora estão todos a questionar se devemos continuar ou não. Agora que estamos nesta fase devemos é pensar noutras linhas. De acordo com o regimento da Assembleia, a próxima fase deste debate vai ser discussão entre deputados então vou ficar aqui a ouvir a opinião dos senhores deputados”, declarou.

O debate sobre a situação do Metro Ligeiro aconteceu por iniciativa dos deputados Agnes Lam, Ng Kuok Cheong e Leung Sun Iok.

André Jegundo