Em destaque

22 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2311 patacas e 1.1378 dólares norte-americanos.

Paula Pimenta: Faltam médicos portugueses; condições existem
Quarta, 09/01/2019
Agraciada com a “medalha de mérito profissional”, a médica Paula Pimenta considera que Macau tem falta de médicos portugueses e que há “condições aliciantes” para fazer carreira no território, dependendo da situação em que estiverem os clínicos em Portugal.

“As condições foram-se modificando. Tudo depende das condições que as pessoas tenham [em Portugal] e do regime em que estão lá a trabalhar, mas considero que oferece condições aliciantes”, afirmou.

A chefe de serviço no Centro Hospitalar Conde de São Januário falava aos jornalistas à margem da cerimónia da entrega das medalhas pelo chefe do executivo, Chui Sai On.

“Como é natural, estou extremamente honrada pela distinção que o Governo de Macau me deu. Penso que será pessoalmente, pelo meu trabalho. Estou cá desde 1995. Mas vejo sobretudo isto como um reconhecimento pelo contributo e pela importância que a medicina portuguesa tem tido em Macau e continua a ter pelos colegas que já cá trabalharam, pelos que continuam a trabalhar, e pelos colegas que esperamos que venham”, afirmou.

Questionada se considera que há falta de médicos portugueses em Macau, respondeu que sim. “Tanto que estão a ser recrutados e estamos à espera que eles venham o mais depressa possível”, acrescentou.

Macau tem desde Novembro de 2017 em curso dois processos de recrutamento de mais de 30 médicos de Portugal. Paula Pimenta não comenta, no entanto, a demora da chegada dos médicos, alegando não conhecer o processo.

A médica Paula Pimenta foi reconhecida em especial pelo trabalho desenvolvido em 2003, durante a pneumonia atípica. Para a chefe de serviço do hospital público, o território tem capacidade para responder a situações de crise.

“Temos meios. Nessa altura felizmente também tivemos sorte, além de todas as medidas que foram tomadas na altura. Julgo que estaremos preparados para poder dar o apoio à população que seja necessário nessas situações”, afirmou.

Fátima Valente