Em destaque

21 de Março 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.2742 patacas e 1.1424 dólares norte-americanos.

Sio Mak Ko é o robô que vai aconselhar os turistas
Quarta, 12/12/2018
Sio Mak Ko é o nome do robô que vai estar em testes junto dos serviços de turismo. A máquina – que aguarda ainda o nome em português -, desenvolvida por uma empresa local, faz parte do plano do Governo para a criação de uma cidade inteligente na área do turismo.

O Sio Mak Ko tem uma tarefa simples: responder aos turistas sobre o que há para fazer, como chegar e a que horas. Na fase inicial vai estar apenas em alguns postos de turismo – “No futuro pode estar em feiras, também”, disse a directora dos Serviços de Turismo - e vai responder às perguntas feitas em inglês, mandarim e cantonense. O português e outras línguas ficam para depois, como explicou também Helena de Senna Fernandes.

“O que estamos a planear é para ter a possibilidade de falar em cantonense, mandarim e inglês. Quanto às outras línguas temos de desenvolver a pouco e pouco, porque há uma fase de aprendizagem que precisamos de ter”, disse a directora.

A Son Tong, empresa local que desenvolveu o produto e que já fez outros robôs semelhantes (mas apenas para uso privado, como por exemplo, para ajuda e companhia de cidadãos mais velhos), disponibilizou gratuitamente 12 robôs ao Governo para a primeira fase de testes.
Durante a conferência de imprensa, os Serviços de Turismo apresentaram os resultados preliminares dos planos para o turismo inteligente.

A aposta nos mega dados e a parceria com a empresa chinesa Alibaba merecem o destaque do Governo, que espera melhorar a experiência dos turistas e cidadãos da cidade já a partir do próximo ano.

“Nós percebemos que há muitos turistas nos principais pontos turísticos. Com estas ferramentas vamos conseguir desviar alguns turistas de locais mais concentrados”, explicou Helena de Senna Fernandes.

Os projectos para o turismo inteligente incluem a plataforma de troca de dados no turismo entre os diversos serviços e duas aplicações, que vão permitir saber qual o fluxo de turistas nos diversos pontos da cidade e também a possibilidade de planear uma viagem a Macau, ficando a par do que a cidade tem para oferecer.

19 milhões de patacas é o orçamento de Macau para o turismo inteligente.

As aplicações devem ser lançadas no início do próximo ano, bem como o novo site de promoção turística de Macau.

João Picanço