Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Comissão de Talentos estuda importação de motoristas
Segunda, 03/12/2018
O Governo vai estudar a possibilidades de importar motoristas. O estudo surge depois de deputados terem pedido ao Chefe do Executivo para autorizar a contratação de condutores não locais.

“É um estudo sobre a necessidade de importação dos condutores profissionais. Foi um estudo encomendado com a indicação do senhor Chefe do Executivo, depois de em Agosto deste ano, um deputado ter perguntado se o Governo vai abrir uma 'janela' para fazer face à escassez de recursos humanos nesta área”, disse Sou Chio Fai, o secretário-geral da Comissão de Desenvolvimento de Talentos que está a fazer o estudo.

Sou Chio Fai falava aos jornalistas à margem da reunião da Comissão.

Os motoristas e “croupiers” dos casinos são as duas profissões exclusivamente reservadas aos trabalhadores locais.

Já no ano passado, os deputados Kou Hoi In, Chui Sai Peng e Ip Sio Kai pediram a Chui Sai On para autorizar a contratação de motoristas fora de Macau, mas apenas para a entrega de mercadorias. Não defenderam a importação de mão-de-obra para conduzir autocarros, por exemplo.

Sou Chio Fai reconhece que há muitas opiniões divergentes, e diz que é preciso um consenso antes de se chegar às conclusões do estudo.

“Temos de chegar a um consenso social. (...) De facto, os condutores profissionais é uma área muito vasta. Os condutores profissionais incluem os condutores de táxi, os condutores dos veículos de sete lugares para os jogadores VIP dos casinos, os condutores de autocarro, os condutores de veículos especiais para o transporte de combustíveis. É uma área muito vasta. É difícil dizermos de momento dizer que propomos uma política nova”, afirmou.

O estudo sobre a oferta e procura de motoristas deverá ser concluído em 2019, mas não foi referida nenhuma data em concreto.

Além deste estudo, a comissão presidida pelo Chefe do Executivo está a estudar a tendência de envelhecimento da população de Macau e as tendências da circulação e da competitividade dos recursos humanos. Ambos os estudos deverão estar concluídos no próximo ano.

Fátima Valente