Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Registo para Doação de Órgãos lançado ontem
Sexta, 28/09/2018
Macau conta desde ontem com um Registo para Doação de Órgãos, um sistema que permite aos interessados inscreverem-se como dadores, através da internet.

O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam – que ontem deu o exemplo, registando-se como dador –, defendeu que “a técnica de transplante de órgãos reacende a esperança de vida para quem tem falência de órgãos” e a doação representa “um sinal de civilização e harmonia social”.

Num comunicado emitido na última noite, os Serviços de Sáude indicam que haverá pelo menos 110 pessoas com vontade de se registarem como dadores. O registo é feito agora online – a partir de um link que consta na página principal do portal oficial dos Serviços de Saúde –, sendo os inscritos contactados depois pelas autoridades para conclusão do processo, que requer, por exemplo, a assinatura do dador.

De acordo com a mesma nota, foi em Novembro de 2016 que se registou o primeiro “passo bem-sucedido” no âmbito dos transplantes de órgãos em Macau. Tratou-se de um “transplante renal de doador vivo” e a operação decorreu no Centro Hospitalar Conde de São Januário.

Agora, o hospital público conta com uma equipa de mais de 30 profissionais de saúde – em áreas como a urologia, cirurgia geral, imagiologia, laboratório e anestesiologia – que está “a realizar, de forma contínua, formação em transplante de órgãos”.

Depois do transplante de rim, está agora a ser preparado o início das operações de transplante de fígado, indicam os Serviços de Saúde.

O comunicado acrescenta que existem actualmente mais mais de 700 residentes de Macau sujeitos ao tratamento de diálise renal. “Os dados mais recentes apontam para que haja cerca de 200 pacientes dispostos a serem submetidos a transplante renal”, lê-se ainda no comunicado.

Os Serviços de Saúde explicam também que a adesão de Macau ao sistema estatal de distribuição e partilha de órgãos “visa aumentar o fornecimento de órgãos e reduzir o desperdício de órgãos” no território, e que “os órgãos doados pelos residentes de Macau também passam a ser partilhados e compatibilizados com os indivíduos na lista de espera do interior da China”. No entanto, frisam os Serviços de Saúde, “os órgãos doados por doadores de Macau terão prioridade para pacientes necessitados em Macau”.

Sofia Jesus