Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Canídromo falha acordo com a Anima
Terça, 03/04/2012

O Canídromo falhou a entrega, à Anima, do primeiro galgo que seria salvo de abate. A associação de defesa dos animais não compreende por que motivo a entidade voltou atrás no acordo e ameaça não voltar a cooperar com o Canídromo.

 

“Contactámos o Canídromo, que disse que ainda não tinha sido decidido pela administração, que teriam de falar ainda com os donos dos animais e que provavelmente daí a três semanas [haveria desenvolvimentos]. Não conseguimos perceber, porque foi o próprio canídromo que sugeriu, em sinal de boa vontade, que ia mandar na segunda-feira um animal para a Anima”, lamentou Albano Martins, presidente da associação, que não entende a decisão – ou a ausência dela.

 

Em declarações ao Canal Macau, Albano Martins pede ajuda ao Governo  para resolver a questão e fala mesmo em branqueamento. “Eles pura e simplesmente estão a branquear isto. Nao há hipótese para mais negociações com o Canídromo, pelo menos comigo não haverá hipótese. A Anima não vai colaborar mais com o Canídromo, a não ser que o Governo o obrigue a ser responsável por aquilo que diz e que faz. Nesta fase, vou pedir ao Executivo para reduzir a importação deste tipo de animais e obrigar o Canídromo a ter outra atitude”, prometeu.

 

Albano Martins prevê que o impacto deste caso ultrapasse as fronteiras de Macau. O presidente da Anima espera mesmo uma reacção violenta por parte das associações internacionais: “Por exemplo, milhares de cartas vão chover de novo para aqui, internacionalmente vai haver pressões para todo o lado, no sentido de parar uma indústria que não quer dar passos nenhuns.”