Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Tufão Mangkhut provoca corrida aos supermercados
Quarta, 12/09/2018
Com o aviso de tempestade tropical forte para o fim-de-semana começou a corrida aos supermercados. A população procura sobretudo água e já pensa no tufão Mangkhut, que só tem chegada prevista a Macau no fim-de-semana e já há estabelecimentos onde a água começa a faltar.

No supermercado Royal, da Avenida Dr. Rodrigo Rodrigues, a água é um problema: “A comida não falta. O que falta é a água. Temos de falar com o fornecedor a pedir mais água, porque há clientes que compram mais do que dez caixas e o nosso stock desaparece rapidamente”, disse a gerente da loja, que se desculpa com a ausência de conhecimento de que o tufão estava a caminho, pese embora os avisos da meteorologia.

Uma cliente entrevistada pela TDM – Rádio Macau disse estar “surpreendida” pela quantidade de espaço vazio nas estantes e até deu um exemplo: “Imaginem que uma pessoa sai tarde do emprego. Chega aqui e não tem água. Claro que isso me deixa preocupada”.

Do outro lado da estrada, a realidade era diferente. No supermercado San Miu também havia uma corrida aos mantimentos, mas a quantidade era suficiente. O gerente da loja garantiu que tudo estava pronto.

“Já mandámos vir mais água para aqui ontem. Estamos a preparar-nos para disponibilizar mais comida e água aos nossos clientes. Não temos problemas neste momento. Com o tufão Hato, no ano passado, tomámos algumas medidas especiais, por forma a não faltarem produtos”, contou.

No supermercado, havia quem dissesse que Macau é “um sítio seguro” e acontecimentos como o Hato “são isolados”. Por isso, a preocupação é pouca. Mas também havia quem pensasse o contrário. Duas estudantes universitárias recorreram ao San Miu depois de não encontrarem água em outros dois locais: “É a primeira vez que vamos ter de enfrentar um tufão. Não somos daqui, somos do continente. Ouvimos dizer que no fim-de-semana o tufão pode ser pior do que o Hato. Temos algum receio”, disse uma delas, depois de colocar mais alguns mantimentos no carrinho de compras.

O tufão que realmente preocupa a população só chega no fim-de-semana, mas há quem não queira deixar para depois o reforço da dispensa.

João Picanço com Joaquina Ng