Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Pequim admite serviço militar para residentes de Macau
Sexta, 31/08/2018
O Governo Central está a estudar a possibilidade de os residentes de Macau, Hong Kong e Taiwan se alistarem no Exército de Libertação do Povo Chinês. O anúncio foi feito hoje pelo Ministério da Defesa e surge uma semana depois de a Universidade de Tsinghua ter decretado treino militar obrigatório para os estudantes de Macau e de Hong Kong.

Em conferência de imprensa e em resposta à uma pergunta sobre se a nova política da Universidade de Tsinghua abria caminho à prestação de serviço militar no Exército de Libertação Popular, o porta-voz do Ministério da Defesa, Wu Qian, disse que o assunto estava a ser considerado.

Citado pela imprensa de Hong Kong, o porta-voz disse que os residentes das regiões administrativas especiais têm hoje um “conhecimento mais profundo” sobre o país e o exército. Wu Qian afirmou também que “alguns compatriotas de Hong Kong mostraram vontade em se alistar no exército e contribuir para a causa da defesa nacional”.

De acordo com um inquérito feito pela Aliança Democrática para a Melhoria e Progresso de Hong Kong, pró-Pequim, citado pelo South China Morning Post, cerca de metade dos entrevistados manifestaram vontade em prestar serviço militar, defendendo também que a adesão deve ser voluntária.

Sónia Nunes