Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Petição contra plástico descartável atinge 4700 assinaturas
Quinta, 30/08/2018
Um grupo de cidadãos entregou hoje uma petição ao Governo a exigir medidas para banir o uso de plástico descartável. O grupo quer que o Governo crie legislação e taxas sobre o desperdício dos resíduos plásticos. Até à data, a petição online contra o desperdício do plástico reuniu 4700 assinaturas. A petição continua aberta em www.change.org

O grupo quer que o Governo responda à população com medidas concretas e com prazos precisos. Em vez de reuniões em privado com o Executivo, pedem uma resposta em público dentro de um máximo de duas semanas. De preferência, os cidadãos unidos contra o uso do plástico querem que a resposta à população seja dada em conferência de imprensa, até 13 de Setembro.

Annie Lao, uma das mentoras da petição online, diz que a quantidade de resíduos sólidos descartáveis per capita em Macau é chocante.

“De acordo com o relatório [do Ambiente], no ano passado produzimos muito lixo. Produzimos 2,16 quilos de resíduos sólidos por pessoa em Macau. Este valor é mesmo chocante, porque quando comparamos com outras regiões à volta de Macau, somos a mais elevada. E a maior parte dos resíduos vem do plástico. Como sabemos, o plástico é tóxico para a nossa saúde e para o ambiente”, afirmou.

Annie Lao exorta o Governo a banir o plástico descartável e a criar legislação contra o desperdício dos resíduos de plástico produzido pelas empresas. Annie Lao é também a favor dos impostos sobre o uso do plástico. O objectivo é tornar Macau ambientalmente mais sustentável.

“Não pensámos em valores, mas claro, não pode ser um valor muito baixo, senão as pessoas vão pensar que é muito barato deitar o lixo fora. O valor devia ser suficiente para os encorajar a reduzir o desperdício”, adiantou.

No caso dos impostos serem elevados, Annie Lao reclama incentivos para as empresas, de forma a fomentarem o uso de materiais biodegradáveis. E diz que o Governo deve disponibilizar instalações suficientes para reciclar os materiais biodegradáveis. Caso contrário, vão para a incineradora e as medidas serão inúteis.

No imediato, Annie Lao sugere que os cafés e restaurantes incentivem os clientes a utilizarem recipientes reutilizáveis em vez de recorrerem ao plástico usado nas embalagens de “take away”. Esta é a forma imediata para educar a população, defendeu.

Fátima Valente