Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

“Há incapacidade para resolver problemas”, diz Sales Marques
Sábado, 31/03/2012

A reforma política “é importante e desejável, pois é necessária para abrir o campo da política em Macau e permitir o acesso de novas forças, que são emergentes e de sangue novo , preconizou Sales Marques no debate sobre a reforma política, defendendo mais eleitos pela via directa. “É desejável ter mais três deputados pela via directa. A fórmula dois mais dois vai beneficiar mais os eleitos pela via indirecta”, nota, dizendo que uma das hipóteses é que em 2013 as forças tradicionais reforcem a sua representatividade.

 

“Existe hoje em dia uma certa incapacidade de resolver ou encarar as exigências que Macau tem. Há uma série de coisas que nunca se resolvem, como a questão da mão-de-obra. Ou não há vontade política, ou não há suficiente apoio,  ou então há bloqueios efectivos para que as soluções sejam adoptadas”, acusou Sales Marques, que considera que Macau está a perder em relação às regiões vizinhas. “Parece que estamos a andar para trás em comparação com os nossos vizinhos”, frisou.

 

Antigo presidente da Câmara Municipal Provisória de Macau e do antigo Leal Senado, Sales Marques defendeu os órgãos municipais: “Macau devia continuar a ter órgãos municipais. É uma oportunidade completamente perdida. A história não volta para trás, mas perdeu-se a oportunidade de melhorar o sistema sem o destruir. A relação entre a câmara e os cidadãos era muito forte e importante e não se reproduz no Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais. Os órgãos municipais eram importantes para a formação da liderança e a aprendizagem política e muita gente utilizou essa via para chegar à Assembleia Legislativa e até ao Governo. Acabou-se com o órgão que tomava decisões, o que foi negativo. Uma coisa é estar num órgão consultivo, onde por muito que diga não tem responsabilidade pela decisão, por mais brilhante que seja, outra coisa é fazer parte de um órgão deliberativo, tomar decisões, ser responsável perante a população, dar a cara pelo que aprovou. Há muitos conselhos consultivos, mas não tomam decisões”.

 

O debate sobre a reforma política, emitido ao meio-dia, pode ser ouvido na página da Rádio Macau na Internet, ou na segunda-feira às 10,30 horas.