Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Clarence Fong: Responsabilidades não podem ser só da DSMG
Quinta, 23/08/2018
A Direcção dos Serviços Meteorológicos e Geofísicos não pode arcar com todas as responsabilidades no que toca à diminuição dos riscos colocados pelas tempestades tropicais, segundo defende Clarence Fong, membro do Comité de Tufões. A organização inter-governamental reúne 14 países e regiões na dependência das Nações Unidas.

“Tanto as agências meteorológicas como os departamentos governamentais da protecção civil são responsáveis pela prevenção e pela redução dos riscos. Têm funções diferentes mas é importante que melhorem a troca de informações. A verdade é que podemos ter uma previsão meteorológica correcta que se as infraestruturas não ajudarem então os problemas vão ocorrer na mesma”, sublinha Clarence Fong, em entrevista à TDM-Rádio Macau, quando se assinala um ano do tufão Hato.

Para o meteorologista há duas áreas em que Macau precisa de trabalhar: “melhorar as previsões meteorológicas, comunicando com outras regiões como Hong Kong e a China Continental e, por outro lado, preparar melhor a cidade para um tempestade, sobretudo para as cheias”, afirma, acrescentando que “nesse aspecto já vimos várias medidas anunciadas pelo Governo, o que é bom”.

Nesta entrevista à Rádio Macau, Clarence Fong defende também que a prioridade do Governo deve passar por diminuir o impacto provocado pelas cheias, até porque, diz, mesmo quando não há tufões, “as cheias acontecem regularmente”.

“O Governo de Macau anunciou que vai construir barreiras para conter as marés na zona do Porto Interior. É um bom projecto mas provavelmente vai demorar alguns anos. É semelhante a projectos do género que já existem em Londres ou na Holanda. Macau está a ir na direcção correcta”, argumenta.

Por iniciativa da China, o Comité de Tufões decidiu retirar o nome Hato da lista pré-definida de designações para tempestades tropicais. A retirada de nomes de tempestades tropicais é uma prática comum no seio do Comité. Neste caso por causa das mortes e prejuízos causados pelo tufão.

A entrevista com Clarence Ho, membro do Comité de Tufões, pode ser ouvida na Rádio Macau às 15h30 ou na página da internet.

André Jegundo