Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Criptomoeda: Rosário responde com processo contra Dennis Lau
Terça, 14/08/2018
Frederico dos Santos Rosário diz que vai processar o empresário de Hong Kong Dennis Lau por difamação, devido às acusações de que o filho de Rita Santos enganou investidores em Macau através da alteração de contratos num negócio envolvendo moedas virtuais.

Num comunicado onde procura defender-se de “alegações infundadas e caluniosas”, Frederico dos Santos Rosário contradiz a versão apresentada por Dennis Lau, que disse também já ter apresentado queixa às autoridades.

Para Frederico dos Santos Rosário, as acusações de Dennis Lau não passam de “uma clara tentativa de desviar a atenção das graves acusações” de que próprio empresário de Hong Kong é alvo e que “estão a ser investigadas”.

Em comunicado, Rosário explica que não está associado à empresa Forger Tech, da qual Lau é um dos proprietários, e que se dedica à mineração de criptomoeda.

O empresário de Macau diz que é “sócio minoritário” – com uma participação de 10 por cento – da Genesis Hong Kong Limited, “detida maioritariamente” por Dennis Lau, e cuja actividade é investir com a Forger Tech na mineração de criptomoeda e também na venda de computadores.

Rosário afirma que foi “convencido” por Lau a investir na Genesis e que, “na qualidade de sócio minoritário”, não tem “qualquer poder de decisão, nem poderes para outorgar documentos da empresa”.

Em declarações ao Canal Macau, na semana passada, Dennis Lau avançou ter apresentado queixa contra Frederico dos Santos Rosário, que o empresário de Hong Kong diz ter recebido “autorização para fazer negócios em Macau”, onde era “o único representante” da empresa e tinha “poder suficiente para gerir o negócio regional”.

Lau acusa Rosário de alterar os contratos sem autorização “de modo a pagar juros a mais às primeiras duas rondas de clientes”, ou seja, “maioritariamente” membros da família do empresário de Macau.

No comunicado, Rosário garante que “não enganei, falsifiquei ou alterei quaisquer contratos para meu benefício” e que o “envolvimento na actividade comercial de Dennis Lau em Macau se limitava a apresentar clientes à Forger Tech para celebração de contratos de compra de ‘hardware’ para mineração de criptomoeda”.

Nesse sentido, diz ter sido “defraudado” juntamente com “vários membros” da família.

Rosário afirma ainda que tem documentos que “comprovarão integralmente a falsidade das imputações” de Dennis Lau e que vai continuar a cooperar com “as investigações judiciais em curso contra Lau e a Forger Tech, em Hong Kong e Macau”.

Na última semana, a Polícia Judiciária (PJ) disse ter contactado 25 pessoas que alegam ter investido no negócio da criptomoeda que, no total, terá lesado 60 investidores de Macau.

De acordo com informações enviadas à TDM - Rádio Macau, as 25 pessoas representam um investimento total de 9,2 milhões de dólares de Hong Kong.

A PJ explicou que as aplicações individuais de dinheiro variam entre 10 mil dólares e dois milhões de dólares.

Hugo Pinto