Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Agnes Lam pede centro de adopção de animais vadios no Pac On
Segunda, 13/08/2018
Agnes Lam sugeriu hoje na Assembleia Legislativa que o Centro Internacional de Realojamento de Galgos anunciado para o terreno sito no Largo de Pac On possa ser usado para centro de adopção de animais abandonados e vadios.

Agnes Lam reconheceu que para a sua sugestão ter viabilidade é necessário garantir a alteração da finalidade do terreno em causa. Essa questão esteve, aliás, na origem do impasse para o primeiro plano apresentado em conjunto pela Anima e Yat Yuen para aí alojar os galgos.

A deputada eleita pela população sustentou o pedido para o centro de adopções de animais vadios com base nos dados da “Página Electrónica da Inspecção Sanitária Animal de Macau” do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM).

Agnes Lam observou que o número de cães capturados e entregues pelos donos por impossibilidade de criação foi diminuindo (de 1018 em 2013 para 459 em 2017), mas que ainda assim “continua a ser um número grande”. Também considerou “lamentável e preocupante” os mais de 100 animais abatidos por ano.

“Nos últimos cinco anos, o número de animais adoptados variou entre 150 e 200, o que permite calcular o limite do mecanismo de adopção, que é de 200, na melhor das hipóteses. Agora, com mais 500 galgos, estima-se, com base nos registos históricos, que o tratamento desses animais vá demorar quatro a cinco anos. Além dos galgos, os cães vadios também necessitam urgentemente de cuidados, e podem ter menos probabilidade de adopção, uma vez que a atenção está nos galgos. Em resultado, provavelmente, saem salvos os galgos, mas há mais abate de cães vadios. Isto para mim também não é adequado”, afirmou.

“Se a finalidade do terreno pode ser alterada, após a resolução do caso dos galgos, o espaço pode transformar-se num centro de adopção para animais vadios, dando um tratamento humano aos animais, através da prestação de cuidados e de serviços de adopção mais eficientes. Penso que, assim, uma coisa má se torna uma coisa boa. Proponho que o Governo pondere este assunto por esta orientação”, sublinhou.

Para Agnes Lam, “o caso dos galgos já se arrasta há muito tempo”, pelo que pediu ao Governo para chegar a acordo com a Yat Yuen ainda durante o mês de Agosto.

Fátima Valente