Em destaque

26 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.0301 patacas e 1.1139 dólares norte-americanos.

Anima: “Os nossos colegas vão ficar cheios de inveja”
Sexta, 27/07/2018
Após anos a acusar o Canídromo de maus-tratos e crueldade contra animais, Albano Martins diz que Macau está a um passo de se tornar um exemplo mundial ao nível da protecção animal, com o novo Centro Internacional de Realojamento de Galgos. O projecto foi apresentado hoje e “é uma ideia de Angela Leong”, directora-executiva da Yat Yuen.

“Os nossos colegas do mundo do bem-estar animal, espalhados pela Europa e pelos Estados Unidos e pela Oceânia, vão ficar cheios de inveja. Este é, de facto, um bom acordo para os animais e é, sobretudo, uma boa visão do que pode ser Macau no bem-estar animal”, defendeu Albano Martins.

O presidente da Anima, fez ainda referência a uma conversa tida “há muitos anos” com o ex-Chefe do Executivo: “Lembro-me que, quando Edmund Ho nos pediu para darmos os primeiros passos na protecção animal, disse-nos: ‘Vocês têm de conseguir pôr Macau no mundo das cidades civilizadas, com protecção animal. Hoje, com este centro, que é uma ideia de Angela Leong e que tem todo o nosso apoio, podemos dizer que demos um passo muito significativo para pormos Macau neste mundo civilizado em que o respeito para com os direitos dos animais é constantemente uma preocupação”.

Os galgos do Canídromo estão à guarda do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais, depois de terem sido deixados pela Yat Yuen. O IACM deu sete dias à empresa para resgatar os cães.

A Yat Yuen pede que o prazo seja alargado para 60 dias, o tempo necessário para transformar o edifício do Pac On num centro de abrigo para animais.

Questionada sobre o tempo que demorou a apresentar uma alternativa ao Canídromo para alojar os galgos, depois das sucessivas tentativas de estender o contrato no Canídromo, Angela Leong disse apenas que foi “preciso muito tempo para preparar um projecto concreto”.

A empresária reiterou que a Yat Yuen “é responsável por cuidar dos galgos até ao fim da vida” e defendeu que o plano do centro de realojamento é o “cumprimento da promessa” da companhia em relação ao bem-estar dos cães, após o fim das corridas.

Angela Leong disse também que o acordo com a Anima resultou de um “estudo e investigação prudentes”, em que a Yat Yuen analisou propostas e opiniões apresentadas por outros grupos. Foi esta a justificação dada pela empresária para estar agora ao lado de Albano Martins, que nos últimos meses tentou estabelecer um plano de adopção dos galgos, sem o apoio da Yat Yuen.

Sónia Nunes