Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Galgos vão ficar à guarda do IACM
Sexta, 20/07/2018
A partir da meia-noite, o Governo vai tomar conta dos cerca de 550 cães que continuam no canídromo. De acordo com o TDM - Canal Macau, o Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) está já a tratar do processo. Mal chegue a meia-noite, funcionários do órgão municipal, com o apoio de voluntários, vão entrar no terreno para cuidar dos animais.

No último dia do contrato para a exploração de corridas de cães, a Companhia de Galgos de Macau propôs um novo plano ao Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais para manter os animais ao seu cuidado no canídromo, que acabou rejeitado.

O plano entregue na tarde desta sexta-feira pedia que a companhia ficasse a tratar dos galgos – resolvendo assim também a questão dos 129 funcionários da empresa que estão com o futuro incerto - e, por outras palavras, estender a permanência no complexo do canídromo. Se tal não fosse aceite, a empresa iria alegar que não tinha condições para cuidar dos animais e deixaria a sua guarda ao IACM, mediante o pagamento de um valor por cada galgo, que rondaria as mil patacas.

De acordo com o Canal Macau, o IACM rejeitou a proposta e vai responsabilizar a empresa ao abrigo da Lei de Protecção dos Animais. A Yat Yuen tem a partir de amanhã sete dias úteis para reclamar os galgos. Se não o fizer, vai ter de responder por abandono dos animais.

Esta semana o Governo reiterou que os galgos são responsabilidade da Yat Yuen. De acordo com o advogado da empresa, Álvaro Rodrigues, foi apenas nos últimos dias que essa questão ficou esclarecida.

Depois de o advogado prestar declarações, em que revelou o plano apresentado, chegou Angela Leong ao canídromo. A proprietária da companhia de galgos tinha anunciado de manhã que ia haver uma conferência de imprensa depois do acto da passagem do património para o Governo.

A deputada esteve no canídromo, mas apenas para dizer que a conferência de imprensa estava cancelada. A justificação dada prende-se com o facto de ainda haver procedimentos a tratar e não ser conveniente prestar declarações.

O administrador do canídromo saiu pouco tempo depois de Angela Leong e prometeu uma conferência de imprensa em breve, mas não disse quando.

Ainda antes destes acontecimentos, dois galgos foram recolhidos pela Anima. Cerca de uma hora antes da passagem de Angela Leong pelo complexo, Zoe Tang, que gere o abrigo da Sociedade Protectora dos Animais, levou os animais para as instalações da Anima. Os animais têm adoptantes residentes em Hong Kong, como explicou Zoe:

“Eles vão para Hong Kong, mas os futuros donos não puderam estar cá hoje, por isso, a Anima vai ajudá-los. Eles vão ficar à nossa guarda para tratamentos durante o período de quarentena. Depois disso, eles seguem para Hong Kong”.

Os animais vão ter de ficar 90 dias antes de irem para o território vizinho. O último mês da quarentena será já aos cuidados dos novos donos.

João Picanço com Canal Macau