Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

IACM: Obras na Avenida Almeida Ribeiro são urgentes
Quarta, 27/06/2018
Obras de emergência para evitar pôr em risco a segurança dos condutores. Foi assim que o chefe da divisão das vias públicas do Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM), Lei Wa Pao, descreveu as reparações no sistema de drenagem e no pavimento da Avenida Almeida Ribeiro.

As obras na Avenida Almeida Ribeira surgem depois de o IACM ter detectado em Março um buraco na faixa de rodagem. Foi junto ao cruzamento da Avenida Almeida Ribeiro com a Rua Central.

Quando detectado o problema, o IACM constatou uma infiltração resultante de fendas entre as lajes das antigas sarjetas no troço, e que a água das chuvas estava a penetrar no solo através dos esgotos e das juntas de dilatação do pavimento.

De acordo com o IACM, as sarjetas de lajes da Avenida Almeida Ribeiro “possuem mais de 90 anos de história”. Já o pavimento “foi utilizado durante cerca de 30 anos, encontrando-se danificado em diferentes graus, havendo assim, necessidade de proceder à sua reparação”.

O IACM diz que ainda tentou reparar sem recorrer à escavação, mas acabou por concluir que é necessária a reparação total dos esgotos e do pavimento rodoviário.
“Se as obras não forem feitas agora, a situação ainda fica mais grave”, afirmou Lei Wa Pao. As obras vão decorrer durante dois meses, desde Sábado até ao final de Agosto.

Segundo Lei Wa Pao, a escolha do período das férias do Verão para realizar os trabalhos foi para minimizar o impacto das obras, “porque há menos pessoas a utilizar os transportes e isso pode causar menos incómodo” à população.

Lei Wa Pao defendeu ainda que a eventual passagem de tufões não terá implicações nas obras. “Estas obras são para a manutenção dos esgotos. E durante as obras, caso haja chuvas torrenciais ou tufões, não afecta a drenagem. Não estamos a dizer que estamos a retirar os esgotos, mas sim a fazer a reparação dessas canalizações”, garantiu.

Fátima Valente