Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Milhares nas ruas contra a falta de estacionamento em Macau
Sábado, 16/06/2018
Cerca de 2500 pessoas saíram hoje à rua contra as políticas de trânsito do Governo e a falta de estacionamento na cidade. Os números são da Polícia de Segurança Pública e superaram as expectativas iniciais da organização – a Associação Iniciativa de Desenvolvimento Comunitário de Macau –, que esperava um máximo de 1.500 pessoas.

O protesto saiu do Jardim Vasco da Gama até à sede do Governo e estendeu-se até às 18 horas. No final do percurso, o deputado Ng Kuok Cheong, um dos promotores do protesto, estimou o número de participantes em cerca de 3500 pessoas.

Apesar de o Governo ter recuado em relação à consulta pública sobre a revisão da lei de Trânsito Rodoviário, que previa o aumento das multas por estacionamento ilegal, Ng Kuok Cheong, apontou que o grande problema mantém-se: a falta de lugares de estacionamento.

“A quantidade [de lugares] não é suficiente. Essa é uma questão. Outra é a distribuição dos lugares de estacionamento pelas várias zonas da cidade. Isso também não é bom. Por isso, pedimos ao governo para fornecer os materiais e analisar como é que os parques de estacionamento concentrados numa só zona conseguem resolver o problema da distribuição”, afirmou.

A manifestação desta tarde levou mais gente à rua do que outra convocada por Pereira Coutinho em Janeiro de 2017. Há ano e meio, o protesto foi contra o aumento das taxas sobre veículos aplicadas pela Direcção dos Assuntos de Tráfego, e contou com a participação de 1600 pessoas, de acordo com a polícia.

Pereira Coutinho apoiou a iniciativa de Ng Kuok Cheong e Au Kam San.

À TDM- Rádio Macau, o também deputado disse que a população está cansada de não ver resolução para os problemas do trânsito e estacionamento em Macau.

“Hoje é importante estar aqui para passar uma mensagem clara ao Governo para não brincar com a vida das pessoas. (...) As pessoas não têm culpa de não conseguirem estacionar os carros ou as motas”, afirmou.

Fátima Valente