Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

ETAR Macau: “O que posso dizer é que não mata”, especialista
Quinta, 14/06/2018
O Governo está a negociar com a China o projecto da futura Estação de Tratamento de Águas Residuais. A nova ETAR vai ser construída na ilha artificial da Ponte Hong Kong – Macau – Zhuhai. Apesar de não haver um calendário para obra, esta será a solução mais viável para resolver o problema da falta de capacidade de Macau tratar os esgotos, de acordo com Chan Shek Kiu, investigador do Instituto de Ciência e Ambiente da Universidade de São José.

Sem datas para a futura ETAR da ilha artificial Macau-Zhuhai, o especialista concorda que o actual cenário na Areia Preta, com mais de metade dos esgotos a serem descarregados no mar sem o devido tratamento, pode ser visto como um atentado ambiental.

A maior garantia que Chan dá é que ninguém morre se contactar com a água: “Sim, pode dizer-se que é uma calamidade – mas não chega ao ponto de matar. Se alguém engolir a água, ainda é ok. Claro, que não é bom para os peixes e para a saúde.”

A ETAR da Areia Preta está sobrecarregada desde 2009. Como noticiou a TDM-Rádio Macau esta semana, a Direcção dos Serviços de Protecção Ambiental (DSPA) não vai aumentar a capacidade da estação, pelo menos até 2023.

Apesar de os contratos de concessão preverem uma capacidade muito maior à que realmente existe e a realização de obras de melhoramento, os actuais equipamentos estão velhos. Para Chan Shek Kiu, não há explicação. “É uma questão que não percebo. Também não consigo responder”, diz.

A DSPA afirma que nada é despejado directamente no mar, alegando que os esgotos que excedem a capacidade da ETAR recebem “tratamento básico”. Chan Shek Kiu confirma que este é apenas “o primeiro tratamento”: “Usa-se um filtro muito primário para eliminar, por exemplo, beatas de cigarro e pedras”.

Todos os dias, em média, a ETAR de Macau despeja o equivalente a 31 piscinas olímpicas em esgotos que passam apenas pelo “tratamento básico” - uma situação que, aponta Cham, agrava-se na época de chuvas já que “a quantidade de água é tanta, que muita passa” sem qualquer hipótese de ser minimamente filtrada.

Sobre a futura ETAR da ilha artificial Macau-Zhuhai, à Rádio, a DSPA ter já concluído a “concepção preliminar”. Estão também em curso “sondagens geotécnicas” e negociações com o Ministério dos Recursos Hídricos sobre a localização da conduta de descarga.

Sónia Nunes