Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Leonel Alves: Polytex “disposta a devolver tudo que recebeu”
Terça, 12/06/2018
Leonel Alves nega qualquer recusa por parte da Polytex em devolver o dinheiro aos compradores do Pearl Horizon, em reacção à carta aberta em que Governo “insta” a empresa a assumir as responsabilidades por ter falhado a entrega dos apartamentos. À TDM-Rádio Macau, o advogado indica que o cenário mais provável é as indemnizações serem pagas por fases.

É uma declaração com base na postura pública da empresa: Leonel Alves diz que não está a representar a Polytex nas negociações com os pequenos investidores. “A empresa está disposta a devolver tudo aquilo que recebeu. Há uma vontade, séria, definitiva, de restituir o que recebeu”, afirma, ao defender que “em relação aos compradores, a postura é de colaboração e de resolver amigavelmente todas as situações”.

Para Leonel Alves, é uma questão de tempo: “A sociedade não pode, de um dia para outro, arrecadar biliões de patacas para, de uma so vez pagar, a todos”. “É muito provável que se tenha adoptar um pagamento diferido, por fases”, adianta.

Alves sugere que a questão seja ultrapassada através de negociações entre a empresa e a associação que representa os compradores do Pearl Horizon.

O ex-deputado e membro do Conselho Executivo defende ainda que a responsabilidade social pelo facto de o Pearl Horizon ter ficado por construir é “de todos – não só das empresas privadas, mas também das entidades públicas”, reconhecendo que “é uma situação anormal, que desfavorece o crescimento económico de Macau e pode prejudicar seriamente a estabilidade social”.

Para o advogado, uma das soluções é a revisão da Lei de Terras no sentido de permitir que as empresas possam renovar as concessões, caso se prove que não são responsáveis pelo facto de os terrenos terem ficado por aproveitar durante 25 anos.

Leonel Alves sublinha que a empresa ainda espera resolver a questão com o Governo através do diálogo: o pedido de indemnização será o “último recurso”.

Sónia Nunes