Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

IPM quer mais emprego nas emprego nas empresas lusófonas
Quarta, 06/06/2018
O presidente do Instituto Politécnico de Macau (IPM) quer mais oportunidades de emprego para os universitários chineses que estudam português. Para Lei Heong Iok, além das empresas no interior da China, as empresas lusófonas também são um mercado a explorar.

“O Brasil tem espaço, África tem espaço, Portugal – apesar de ser pequeno – pode fazer muito. Juntamente com essa iniciativa “Faixa e Rota”, é preciso ter eco em Portugal, e depois em África e na América Latina, mais precisamente no Brasil”, afirmou.

Lei Heong Iok observou que o IPM está a trabalhar para a abertura de mercados. E deu o exemplo de um concurso mundial de tradução português-chinês lançado no ano passado pelo IPM.

“Se outras instituições de ensino superior, e também do ensino primário e secundário, e as empresas se juntarem, podemos fazer muito mais. E assim vão surgir oportunidades e acabam as preocupações dos graduados com o emprego”, afirmou.

O presidente do IPM falava aos jornalistas à margem da Conferencia Internacional “Faixa e Rota”. Uma conferência que decorre até amanhã na Torre de Macau.

Fátima Valente