Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Macau com melhor nota no combate à corrupção
Quarta, 21/03/2012

Macau mantém o sexto lugar no relatório de 2012 da Political & Economic Risk Consultancy sobre a corrupção, num total de 16 países e regiões asiáticos analisados. Mas, desta vez, recebeu nota mais positiva, passando de 4,68 para 2,85 pontos. A pontuação varia entre zero e 10 pontos, correspondendo zero ao maior nível de integridade.

 

O Comissariado contra a Corrupção (CCAC) destaca, numa nota, que o relatório indica que há em Macau “um desejo sincero de combate à corrupção no Governo e nos negócios em áreas como a adjudicação de contratos públicos, o fomento imobiliário e os projectos de infra-estruturas”.

 

De acordo com o mesmo organismo, é ainda sublinhado que “após o caso Ao Man Long, o CCAC registou progressos significativos no combate à corrupção no sector público”. “O relatório conclui que Macau registou de facto melhorias significativas, que vão desde a governação dos serviços públicos até à imagem de integridade conseguida junto da população”, escreve o comissariado.

 

Além disso, a consultora também refere no relatório que “a maior parte dos inquiridos discorda da ideia de que alguns dos casinos são usados para branqueamento de capitais”. Entre Novembro de 2011 e meados de Março deste ano, a consultora inquiriu, através de carta e entrevista, mais de 1.700 empresários e trabalhadores expatriados, que investiram ou trabalham nos locais abrangidos pela análise.

 

Por ordem, Singapura, Austrália e Japão são os três mais íntegros nesta lista da Political & Economic Risk Consultancy.