Em destaque

19 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.16 patacas e 1.12 dólares norte-americanos.

Amamentação: Associação defende importância da educação
Sexta, 01/06/2018
Educar sobre os benefícios da amamentação e alertar para a publicidade enganosa do leite em pó são os grandes objectivos da Associação de Amamentação de Macau, disse à TDM – Rádio Macau a presidente, Yolanda Leong.

Criada em 2003 com apenas 11 membros, este grupo reúne hoje mais de uma centena de mães e foca o trabalho, sobretudo, nas campanhas de sensibilização.

O mais importante é educar, observa a presidente da Associação de Amamentação, Yolanda Leong: “muitas pessoas, sobretudo as mais velhas, acreditam que, ao fim dos seis meses de idade, o leite materno deixa de ser bom para os bebés e que a fórmula é melhor. É um mal-entendido muito comum nesta comunidade. Mas não, a amamentação é sempre o melhor”.

Reconhecendo que o leite em pó é uma necessidade em muitos casos, Yolanda Leong mostra-se preocupada com os efeitos da publicidade a este produto de uma indústria muito lucrativa: “foi sempre a nossa preocupação. Ninguém vai fazer publicidade ao leite materno, não há dinheiro nisso. Há muita publicidade ao leite de fórmula. Não nos opomos a esse leite, sabemos que algumas pessoas precisam dele. Mas o problema é o modo como fazem publicidade, como exageram as vantagens. O problema é que, quando uma mãe recente recebe informação, é quase sempre sobre o leite em pó”.

Tanto no sector público como no privado Yolanda Leong nota que tem havido uma evolução e melhores condições para as mães que amamentam.

Leong destaca, nesse sentido, o contributo do secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam: “porque ele insiste em promover e instar os Serviços de Saúde a fazer mais, a pedir aos médicos do serviço público que apoiem as mães que amamentam. É o que sentimos, porque quando vamos ao médico, receitam medicação compatível com a amamentação. Isso é muito importante”.

Yolanda Leong sublinha, ainda, as “políticas amigas da amamentação”, nomeadamente o facto de as funcionárias públicas terem direito a dispensa de uma hora por dia para amamentar os filhos até um ano de idade, havendo também salas próprias para o fazerem.

Além da organização de eventos, que também são abertos a mães que não fazem parte da Associação de Amamentação, Yolanda Leong comenta que há também cada vez mais actividade “online”, com muitas mães a tirarem dúvidas em tempo real na página de Facebook da associação, através de mensagens instantâneas.

Hugo Pinto