Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Governo aumenta subsídios para estudar em Guangdong
Quinta, 31/05/2018
O Governo vai gastar 27,6 milhões de patacas em subsídios para os cerca de 4000 alunos de Macau que estudam na província de Guangdong.

O valor foi indicado pelo porta-voz do Conselho Executivo, Leong Heng Teng, e diz respeito ao corrente ano lectivo.

Pela primeira vez, o subsídio vai ser estendido às escolas das 21 cidades da província chinesa. O plano abrange desde o ensino pré-primário ao secundário complementar.

Um total de 5761 alunos de Macau já beneficiou do subsídio para estudar em Guangdong, desde que o plano foi implementado no ano lectivo de 2012/2013. No ano escolar de 2016/2017 foram 2000 os beneficiários.

O projecto-piloto nasceu com o objectivo de diminuir os encargos económicos dos alunos de Macau a frequentar o ensino secundário nas cidades de Zhuhai e Zhongshan.

Desde então, explica o porta-voz do Conselho Executivo, o plano tem vindo a ser aperfeiçoado, assim como o montante concedido.

O valor máximo do subsídio de propinas para os alunos a estudar na província de Guangdong também foi actualizado de 4000 para 6000 patacas a partir do ensino primário até ao secundário complementar, e de 6000 para 8000 patacas no caso do ensino pré-escolar.

Para ter direito ao subsídio os alunos têm de ser residentes de Macau e terem nascido até ao final 2014.

Além disso, tinham de estar a frequentar um nível de ensino a 31 de Março deste ano.

Há ainda outro requisito específico para os matriculados no ensino secundário complementar. Neste caso, para receberem o subsídio de proprinas, os alunos têm também de frequentar um curso de formação organizado pela Direcção dos Serviços de Educação e Juventude.

O curso, a frequentar entre Junho e Agosto, tem a duração de 12 horas e, de acordo com Leong Heng Teng, visa reforçar os conhecimentos sobre Macau.

O regulamento administrativo deverá entrar em vigor em junho. As candidaturas têm de ser apresentadas à DSEJ e os subsídios devem ser atribuídos, numa única prestação a partir de Outubro.

Fátima Valente