Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Anima sente a falta de Steve Wynn
Quarta, 30/05/2018
O afastamento de Steve Wynn da empresa que o magnata fundou, a Wynn Resorts, devido a um escândalo de abusos sexuais, foi prejudicial para a Anima – Sociedade Protectora dos Animais, disse à TDM – Rádio Macau o presidente da associação, Albano Martins.

A Anima está a atravessar dificuldades financeiras, que se agravaram no último Verão com a passagem do tufão Hato, que provocou grande destruição na sede da Sociedade Protectora dos Animais.

A actividade da associação tem sofrido cortes, o que incluiu já a dispensa de funcionários.

Segundo Albano Martins revelou à TDM – Rádio Macau, a Wynn Resorts “comprometeu-se, por escrito, que este ano iria dar os fundos que nós pedimos”, ou seja, 1,3 milhões de patacas.

Com esse dinheiro, o dirigente estima que fiquem asseguradas as contas até Setembro.

No entanto, Albano Martins admite não saber “se o que a Wynn Resorts está a dizer agora se vai manter nos anos seguintes”.

Desde 2011, a Wynn doou à Anima um total de 10,5 milhões de patacas, disse à TDM – Rádio Macau Albano Martins: “A Wynn Resorts funcionava para nós como o último recurso. No final do ano, se não tínhamos fundos, pedíamos uma parte desses fundos necessários e eles adiantavam, nunca questionavam o valor. Às vezes, quando percebiam mal, até punham mais dinheiro do que aquele que pedíamos”.

De acordo com o dirigente, Steve Wynn deu pessoalmente a garantia de que a Anima não teria mais dificuldades financeiras: “O Steve Wynn disse-me particularmente, ‘Albano, podes ter a certeza que a Anima não vai ter mais problemas financeiros ‘. Foi uma conversa privada. O problema é que eu não consigo ter acesso ao Steve Wynn. Portanto, isso vai complicar muito a vida da Anima”.

Actualmente, lamenta Albano Martins, “a situação mudou muito, estamos numa situação muito complicada porque não temos a certeza do que vai ser o futuro da Anima com a Fundação Macau a recusar a aumentar a sua tranche de subsídios”.

Hugo Pinto