Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Wong Sio Chak: Polícia tem autonomia para barrar entradas
Segunda, 28/05/2018
O secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, recusou-se hoje a comentar as declarações da deputada do partido democrata de Hong Kong, Helena Wong, proibida de entrar em Macau, em 2017. O governante defendeu que a polícia tem autonomia para impedir políticos ou qualquer outra pessoa de entrar em Macau.

A deputada enviou ao Governo uma carta a contestar a interdição. Porém, segundo Helena Wong, não obteve respostas. Agora Wong Sio Chak esclarece: “em relação à carta enviada ao Governo da RAEM, tenho que salientar que, na execução da lei, vamos considerar conforme as nossas medidas e conforme a respectiva lei. Também vamos ponderar os aspectos necessários e também as provas dos interessados. Vamos avaliar as informações que recebermos, independentemente do senhor Chefe do Executivo ou secretário para a Segurança ou de outros serviços públicos, também vamos avaliar o caso conforme as informações da polícia. Respeitamos a execução e o funcionamento da polícia e não vamos interferir porque a polícia também funciona conforme as leis”.

Na semana passada, Helena Wong pediu a intervenção da Chefe do Executivo de Hong Kong no sentido de garantir a livre circulação de deputados entre as duas regiões.
Helena Wong alegou também que o facto de Macau impedir a entrada de deputados, jornalistas e académicos de Hong Kong pode prejudicar o projecto de integração regional. Uma opinião que não é partilhada pelo secretário para a Segurança.

“A proibição de entrada vai afectar o desenvolvimento da Grande Baía? É totalmente o contrário. No desenvolvimento da Grande Baía, precisamos de ter um ambiente seguro e estes assuntos são interligados. Por isso, podemos ter uma boa colaboração com as polícias tanto do Interior China como de Hong Kong. Cada território vai ter as suas leis para executar os trabalhos necessários”, afirmou Wong Sio Chak, na apresentação do balanço da criminalidade nos primeiros três meses do ano.

Na conferência de imprensa, o secretário fez ainda um ponto de situação sobre a nova legislação referente à lei de segurança nacional. Wong Sio Chak disse esperar ter uma proposta pronta até inícios de 2019. Haverá, depois uma consulta pública.

Sónia Nunes