Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Polytec quer compensação por perdas devido ao Pearl Horizon
Sexta, 25/05/2018
A empresa Polytec vai tentar obter uma compensação por parte do Governo de Macau devido às perdas sofridas com o empreendimento imobiliário Pearl Horizon, foi anunciado num comunicado enviado na última noite à bolsa de Hong Kong.

A Polytec acredita que tem “fundamentos e argumentos legais para pedir uma compensação por perdas e danos”, bem como pelos “lucros esperados” com o Pearl Horizon, onde a empresa afirma ter investido, até ao final do ano passado, 7,84 mil milhões de dólares de Hong Kong.

Lê-se ainda no comunicado que o pedido vai ser apresentado tão cedo quanto possível.

Na quarta-feira, o Tribunal de Última Instância indeferiu o recurso da Sociedade de Importação e Exportação Polytex, pertencente à Polytec.

A empresa pretendia a anulação do despacho do Chefe do Executivo que, em 2016, declarou a caducidade da concessão do terreno na Areia Preta onde o Pearl Horizon estava a ser construído.

O colectivo de juízes confirmou, assim, a decisão do Tribunal de Segunda Instância, que já tinha mantido o despacho de Chui Sai On.

A Polytec insiste agora que foi por “atrasos na concessão de autorizações” que a construção do Pearl Horizon não terminou dentro do prazo para o desenvolvimento do terreno, que expirou em 25 de Dezembro de 2015.

No acórdão conhecido esta semana, os juízes da Última Instância consideraram que é irrelevante saber se o Governo tem ou não culpa pelo não aproveitamento do terreno.

Devido a esta decisão judicial, que não é passível de recurso, a negociação das acções da Polytec na bolsa de Hong Kong esteve suspensa desde as 13h00 de quarta-feira até às 09h00 de hoje.

A empresa afirma, ainda, que o fim do projecto imobiliário Pearl Horizon “não deve ter efeitos adversos na posição financeira” do grupo.

Hugo Pinto