Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Governo deixa cair projecto de mercado nocturno
Quarta, 09/05/2018
O Governo desistiu da ideia de abrir um mercado nocturno na zona do lago de Sai Van. O subdirector dos Serviços de Turismo, Cheng Wai Tong, afirmou hoje, durante um debate na Assembleia Legislativa, que não há condições para o projecto avançar.

Ainda em Novembro, também em resposta aos deputados, José Tavares admitia retomar o plano, anunciado já pelo anterior Executivo e que esteve quase para avançar em 2012.

O projecto parou após a abertura de uma consulta pública e de várias críticas ao impacto da obra na zona. Além do mercado, o projecto incluía também um parque de estacionamento, lojas, restaurantes e um teatro.

Após a entrada de Macau, em 2017, na rede das Cidades Criativas da Unesco de Gastronomia a ideia do mercado nocturno voltou à agenda de alguns deputados, como Chui Sai Peng, que há seis anos manifestou reservas em relação ao projecto do IACM.

Do lado do Governo, a ideia já não colhe: “Não temos condições para criar um mercado nas zonas comunitárias. Nos bairros antigos, é muito difícil. Segundo alguns residentes, é mais barato ir aos resorts do que às zonas antigas”, disse esta tarde Cheng Wai Tong, ao recordar que o projecto pensado para Sai Van gerou “muita polémica”.

O subdirector dos Serviços de Turismo defendeu que há já muitas alternativas à ideia de feira nocturna, como os
“resorts turísticos [que] oferecem uma grande diversidade de tipos de cozinha”, as zonas de restauração de alguns mercados municipais ou a Rua do Cunha.

Já nas antigas instalações da Universidade de Macau, também na Taipa, está a ser estudada a construção de um “centro de culinária”, revelou a presidente do Instituto de Formação Turística, Fanny Wong, também presente no debate com os deputados.

Wong disse que o IFT precisa receber mais espaço no antigo campus universitário (cerca de 200 metros quadrados) para avançar com o projecto.

Sónia Nunes