Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Segurança nacional: Exposição reforça patriotismo, diz CE
Domingo, 15/04/2018
A primeira exposição em Macau dedicada à segurança nacional serve para reforçar “ainda mais o sentimento patriótico”, ao mesmo tempo em que “fortalece a consciência para a defesa da segurança nacional”, defendeu, na inauguração do evento, o Chefe do Executivo, Chui Sai On.

Organizada em conjunto pelo Governo e pelo Gabinete de Ligação do Governo Central, a mostra fica patente desde hoje até ao próximo dia 30 no Museu das Ofertas sobre a Transferência de Soberania.

No discurso na cerimónia de abertura, o Chefe do Executivo considerou que a exposição “elucida” acerca do “Pensamento de Xi Jinping sobre o socialismo com características chinesas na nova era” e sobre o “conceito geral de segurança nacional”.

Para Chui Sai On, isso leva a que seja reforçado “ainda mais o sentimento patriótico e de amor a Macau dos residentes”, bem como “fortalece a consciência para a defesa da segurança nacional da sociedade de Macau”.

O Chefe do Executivo entende que este é “um trabalho importante, de longo prazo”, que tem de ser “desenvolvido com acções de sensibilização e de educação”.

Mas Chui Sai On também afirmou que “Macau tem sempre defendido a tradição honrosa do amor à Pátria e a Macau”, tal como “tem implementado rigorosamente as normas e as exigências da Constituição e da Lei Básica”.

A esse propósito, recordou que, “em 2009, com o apoio de todos os sectores da sociedade, a RAEM elaborou, com sucesso, a lei relativa à defesa da segurança do Estado, que veio preencher uma lacuna legal relativa à segurança nacional e que deu cumprimento efectivo à responsabilidade constitucional de defesa da segurança nacional consagrada no artigo 23.º da Lei Básica”.

No discurso deste domingo, o Chefe do Executivo lembrou ainda palavras que proferiu no ano passado, para referir que “relativamente à questão da segurança nacional, existe apenas o dever para ‘um país’, sem distinção dos ‘dois sistemas’”.

Dessa forma, considera Chui Sai On, fica reflectido “o firme sentimento de amor à Nação e ao País”. E quanto melhor estiver a China, concluiu, “melhor será Macau”.

Na mesma cerimónia, o director do Gabinete de Ligação do Governo Central em Macau, Zheng Xiaosong, afirmou que a exposição desempenha um papel importante para o reforço da sensibilização.

Citado num comunicado do Gabinete do Porta-voz do Governo, Zheng Xiaosong defendeu ainda que “ao organizar-se esta exposição, cumpre-se activamente com o propósito de cumprimento da responsabilidade na defesa, demonstrando-se ainda uma consciência para o assumir de responsabilidades na concretização da Constituição e da Lei Básica”.

Hoje, em toda a China, assinala-se o dia da Educação da Segurança Nacional, aprovado no dia 1 de Julho de 2015 pelo Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional com o objectivo de elevar a consciencialização da segurança nacional entre a população.

Em Hong Kong, o director do Gabinete de Ligação do Governo Central no território, Wang Zhimin, disse hoje que a antiga colónia britânica é o único lugar do mundo sem legislação para salvaguardar a segurança nacional.

Em declarações num simpósio, citado pela rádio pública de Hong Kong, Wang afirmou que o território é um lugar de riscos em termos de segurança nacional, uma vez que a protecção é fraca e os problemas podem surgir facilmente.

Nesta conferência dedicada ao Dia da Educação da Segurança Nacional, a Chefe do Executivo de Hong Kong, Carrie Lam, descreveu como fraco e vago o entendimento da população do território em termos de segurança nacional.

Hugo Pinto