Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Rota das Letras: DSEJ não participa em sessões nas escolas
Sexta, 09/03/2018
A Direcção dos Serviços de Educação e Juventude (DSEJ) não participou na edição deste ano da iniciativa “Rota das Escolas”, parte da programação do Festival Literário de Macau – Rota das Letras, de acordo com o que os serviços dirigidos por Lou Pak Sang revelaram à TDM – Rádio Macau.

Desde a primeira edição do Festival Literário, em 2012, que a DSEJ teve um papel activo na organização da iniciativa “Rota das Escolas”, que tem levado dezenas de escritores a instituições do ensino de Macau.

À excepção das actividades na Escola Portuguesa de Macau e no Instituto Português do Oriente, a direcção do Festival Literário tem vindo a repartir com os Serviços de Educação a organização de sessões nas escolas chinesas e luso-chinesas.

No entanto, pela primeira vez desde o início do Rota das Letras, este ano, os Serviços de Educação “não consideraram participar nos trabalhos do Festival Literário”.

Em resposta a perguntas da TDM – Rádio Macau, a DSEJ justifica a opção com o facto de a data do Festival se sobrepor ao período de exames nas escolas.

Com a decisão, os Serviços dizem que querem “evitar afectar as actividades regulares de ensino nas escolas”.

O Festival Literário arranca este sábado, dia 11, e termina no próximo dia 25.

Desde a segunda edição que o Festival se realiza nesta altura do ano, durante o mês de Março.

Apesar de não ter contado com o apoio dos Serviços de Educação e Juventude, a organização do Rota das Letras contactou directamente várias escolas do ensino secundário e haverá um total de nove sessões com escritores nestas instituições, incluindo a Escola Secundária para Filhos e Irmãos dos Operários, a Escola Secundária Kao Yip e a Escola Secundária Pui Ching.

A edição deste ano do Festival Literário de Macau ficou marcada pelo cancelamento da participação de três escritores – Jung Chang, Suki Kim e James Church –, depois de a organização ter sido informada “oficiosamente” de que não estava garantido que os autores pudessem entrar em Macau.

Devido a este episódio, o director de programação do Festival, Hélder Beja, anunciou hoje que vai abandonar o cargo.

A decisão terá efeitos apenas a partir de 26 de Março, no final desta que será a sétima edição do Festival Literário de Macau.

Num comunicado, Hélder Beja explicou que, “na sequência dos eventos noticiados nos últimos dias, que culminaram com o cancelamento da presença de alguns autores que se preparavam para participar no festival, considero que na presente conjuntura não tenho condições para continuar”.

Hugo Pinto