Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

AFC: Treinador do Benfica destaca importância do triunfo
Quarta, 07/03/2018
O treinador do Benfica de Macau considera que a vitória dos encarnados na estreia na fase de grupos da Taça AFC é um “dia histórico para Macau”. Bernardo Tavares diz que, mesmo a perder por 2-0 ao intervalo, sempre acreditou no triunfo. No balneário, o técnico só teve um pedido para os jogadores: “levantem a cabeça”.

“Chegar ao balneário e ver sete jogadores com a cabeça baixa custa para um treinador. Passados dois ou três minutos todos tinham a cabeça levantada. O que foi dito foi feito em campo. Toda a gente mudou ainda mais de atitude. Mais concentração. O 2-1 foi fundamental, pois soltou a equipa”, disse Bernardo Tavares na conferência de imprensa no final da partida.

Na primeira jornada da fase de grupos, O Benfica de Macau derrotou o Hang Yuen, de Taiwan, por 3-2. Dois golos de Chen Ching Hsuan, aos 18 e 34 minutos, colocaram os formosinos em vantagem, cenário que se manteve até ao intervalo. Na segunda-parte, o Benfica deu a volta com golos de Gil Nguema (48) e Leonel Fernandes (60 e 63).

Em declarações à TDM-Rádio Macau, o avançado madeirense sublinhou a importância do triunfo “num jogo que não estava a correr bem”. Leonel Fernandes entende que a vitória "pode dar uma motivação extra” para o resto da prova. O segredo para a reviravolta, diz, "foi acreditar sempre”.

Do lado do Hang Yuen, o treinador Hung Chin Hwai lamenta que a equipa tenha deixado escapar a vantagem por culpa de erros defensivos.

“Na segunda parte, cometemos muitos erros de marcação. Deixámos os jogadores do Benfica à vontade na primeira bola. Eles conseguiram começar a jogar nas nossas costas. Esse foi o nosso erro, ninguém pressionava e o adversário começou a jogar à vontade”, afirmou o técnico no final da partida.

Na próxima jornada, a 14 de Março, o Benfica desloca-se até à Coreia do Norte para defrontar o Hwaepul. Já o Hang Yuen recebe os norte-coreanos do 25 de Abril.

Rui Cid