Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Amnistia: Governo deve explicações sobre veto a escritores
Terça, 06/03/2018
A Amnistia Internacional diz que o Governo deve esclarecer se, de facto, proíbe a entrada em Macau dos três escritores que vinham participar no Festival Literário de Macau, que começa no sábado.

Entre os nomes cancelados, destaca-se Jung Chang, co-autora de uma biografia polémica sobre Mao Tse-tung e que esteve em Hong Kong no ano passado.

O secretário para a Segurança, Wong Sio Chak, e o secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, Alexis Tam, alegaram já desconhecimento do caso. Patrick Poon, investigador sobre a China da Amnistia Internacional, diz que o argumento não é válido: “Se o Governo já sabe que o Festival Literário de Macau avançou que foram informados de que os participantes seriam impedidos de entrar em Macau, o Governo deve vir a público e esclarecer se a entrada destas pessoas está, de facto, garantida. Devem dizer se, de facto, não há problemas de maior, nem uma preocupação sobre a proibição de entrada destas pessoas”.

Patrick Poon sublinha que é pouco clara a intervenção do Governo neste caso e diz que a explicação dada “é estranha” e lança a pergunta sobre se haverá outra altura em que a presença em Macau destes escritores já não seja considerada inoportuna. O responsável da principal organização não-governamental que zela pelos direitos humanos no mundo admite que a actuação das autoridades possa estar relacionada com as reuniões da Assembleia Popular Nacional e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês – um período considerado sensível para o Governo chinês.

“O Governo tem o dever de explicar, publicamente, por que é que bloqueia algumas pessoas em alturas como esta e esclarecer se outras pessoas, como activistas dos direitos humanos ou políticos, vão receber o mesmo tratamento se tentarem entrar em Macau”, sublinha Poon, em declarações à TDM – Rádio Macau, ao apontar para um ambiente de “incerteza” sobre a liberdade de circulação de intelectuais, jornalistas, políticas e activistas em Macau.

Sónia Nunes