Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Académico: BRIC podem ocupar “vazio de governação global”
Domingo, 11/03/2012

A União Europeia tem uma estrutura para funcionar, mas os resultados demonstram que tal não basta. Os BRIC – Brasil, Rússia, Índia e China – não estão ainda formalmente organizados, mas podem vir a ocupar um vazio de governação deixado pelos Estados Unidos e pela Europa. A teoria é do académico brasileiro Paulo Borba Casella, que esta semana falou em Macau deste paradoxo entre lado formal e consequências.

 

Em entrevista ao magazine de informação da Rádio Macau Paralelo 22, o especialista em Direito Internacional defende que os BRIC têm condições para desempenhar funções que vão além das trocas comerciais. “No caso da relação China-Brasil, há um interesse económico, sem dúvida, e isso tem de se aprofundar. Há projectos que podem ser desenvolvidos bilateralmente, mas há principalmente uma coordenação de acção conjunta China-Brasil-Índia-Rússia e, na medida em que se decida, África do Sul, para ocupar o que chamaria um vazio de governação global”, diz.

 

Borba Casella recorda que os Estados Unidos estão ocupados com problemas internos. Já a Europa vive uma crise que ocupa as energias dos dirigentes do Velho Continente. Neste contexto, os BRIC terão uma palavra a dizer, mas a China continua a ser temida por muitos. Para o académico, a questão tem sido analisada numa perspectiva invertida: “Quando o Ocidente sente a China como uma ameaça, é só olhar para há 50 ou 60 anos e ver que a China é que se sente ameaçada pelo Ocidente, pelo que já foi feito. O Ocidente sente-se ameaçado pela China pelo que ela pode fazer.”

 

O professor de Direito Internacional, com prática em arbitragem na área do Direito Comercial, acredita que cabe aos académicos ajudarem a encontrar soluções para um entendimento entre velhas e novas forças mundiais.

 

Paulo Borba Casella veio ao território a convite da Universidade de Macau, onde lecciona como professor convidado há já seis anos, tendo proferido uma palestra no âmbito da cátedra Jean Monnet.

 

A entrevista com Paulo Borba Casella pode ser ouvida no magazine de informação Paralelo 22, que transmitimos hoje ao meio-dia, e terça-feira, às 10h30, e que pode escutar também aqui, a partir desta tarde, na nossa página da Internet.