Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Larry So: "Chegou ao fim a luta de poder e Xi saiu vencedor"
Segunda, 26/02/2018
Chegou ao fim a luta pelo poder que dominou os meandros da política chinesa nos últimos anos e Xi Jinping saiu vencedor. Para o comentador Larry So este é o significado simbólico da proposta de alteração à Constituição chinesa, que elimina o limite de dois mandatos para o cargo de presidente e que abre a porta à permanência de Xi Jinping no poder por tempo indeterminado.

“A chamada luta de poder a que temos assistido e sobre a qual muito falámos nos últimos anos parece ter chegado ao fim com estas mudanças constitucionais. Por outro lado, Xi Jinping está a consolidar e manter o poder que adquiriu. Costumamos dizer: o poder sabe a mel. Quanto mais comemos mais queremos”, aponta.

Para Larry So a eliminação de qualquer limite para o mandato de um presidente é uma opção errada e um mau sinal para sociedade chinesa. “Concentrar e manter a estrutura de poder numa pessoa ou num grupo de pessoas vai muito facilmente conduzir a situações de nepotismo e também corrupção. Isto é o que significa ter uma ditadura”, aponta.

Na redacção da Lei Básica de Macau, o limite de dez anos imposto pela Constituição ao cargo de presidente da China serviu como referência para a definição da duração do mandato do Chefe do Executivo. Ainda assim, Larry So não espera que as alterações à constituição chinesa possam abrir a porta ao prolongamento dos mandatos dos Chefes do Executivo de Macau ou Hong Kong.

“Espero que não. Alterações na Constituição Chinesa não implicam necessariamente mudanças na Lei Básica, excepto em matérias que envolvam princípios fundamentais. Neste caso parece-me que pode ser entendida como uma matéria mais administrativa do que constitucional”, acrescenta.

Nestas declarações à TDM Rádio Macau, o comentador Larry So defende também que a permanência de Xi Jinping no poder poderá obrigar as organizações democráticas de Hong Kong a uma mudança de estratégia face à consolidação de poder do líder Chinês.

André Jegundo