Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Gripe fez a terceira vítima mortal em Macau
Domingo, 25/02/2018
Um homem de 68 anos de idade faleceu ontem em Macau vítima de gripe, tornando-se a terceira vítima mortal causada pelo surto da doença desde o início do ano.

De acordo com os Serviços de Saúde, o homem tinha sido diagnosticado no passado dia 8 com gripe B e, no dia 13 de Fevereiro foi internado no Hospital Kiang Wu, tendo sido depois transferido, no dia 19, para o Centro Hospitalar Conde de São Januário com problemas respiratórios e com necessidade de auxílio respiratório por meios mecânicos. Veio a falecer na manhã de ontem, no hospital público, depois de contrair pneumonia.

Em comunicado, as autoridades informam que actualmente há três casos de doentes com gripe que causam preocupação às autoridades: um homem de 45 anos internado nos cuidados intensivos Centro Hospitalar Conde de São Januário, que apresentou melhorias, entretanto, e mais dois homens, 64 e 83 anos, que estão internados na unidade de cuidados intensivos do Kiang Wu com respiração assistida.

Segundo os Serviços de Saúde, no caso das três mortes já registadas e dos três pacientes em estado crítico ninguém estava vacinado contra a gripe.

Entre 21 e 23 de Fevereiro, recorreram em média ao Centro Hospitalar Conde de São Januário 48 adultos com gripe, representando 6,8 por cento do total de pacientes, e 50 crianças com os mesmos sintomas, representando 32 por cento do total dos menores que recorreram à ajuda hospitalar.

Para os Serviços de Saúde, lê-se num comunicado, “estes resultados confirmam a existência de um pico de gripe mas com diminuição de casos comparativamente com os dias anteriores”.

A nota explica, ainda, que “o tempo de espera dos Serviços de Urgência do Centro Hospitalar Conde de São Januário e do Hospital Kiang Wu reduziu-se para cerca de uma hora”, sendo a taxa de ocupação de camas no hospital público de 90 por cento. Já no Kiang Wu, esta taxa é de 70 por cento, “aproximando-se de um nível normal”.

Hugo Pinto