Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

JLL: Transacções de casas vão cair devido a medidas fiscais
Quinta, 08/02/2018
O número de transacções no mercado imobiliário vai cair devido ao novo imposto de selo aprovado ontem na Assembleia Legislativa, estimou à TDM – Rádio Macau o director do mercado residencial da promotora imobiliária Jones Lang LaSalle (JLL), Jeff Wong.

A nova medida impõe uma taxa de 5 por cento na compra de uma segunda casa e de 10 por cento nas restantes.

Jeff Wong antecipa uma descida na procura, mas considera que o mais importante para resolver o problema da habitação seria o aumento da oferta: “Julgo que seria mais importante o Governo ter um plano para o aumento da oferta, tanto de terrenos como de apartamentos, em vez de se focar apenas na procura. Mas, no geral, as transacções vão certamente diminuir, porque haverá menos investimento na procura”.

Ainda que antecipe uma diminuição da procura, o responsável da JLL não espera que as novas medidas fiscais com que o Governo pretende controlar o mercado imobiliário venham a afectar os preços: “Acho que depende muito mais da macroeconomia – se a economia continua ou não a melhorar em 2018 –, e também se a taxa de juro vai aumentar. São todos estes factores, mais do que as novas medidas fiscais, que podem vir a controlar os preços”.

Mas apesar da previsão de uma diminuição da procura em consequência da nova carga fiscal, Jeff Wong nota que, até à entrada em vigor das novas medidas, haverá mais negócios no imobiliário: “Há muitas pessoas a correr para comprar apartamentos e a dirigirem-se aos Serviços de Finanças para pagar o imposto de selo. Julgo que as estatísticas do próximo mês vão reflectir esse fenómeno”.

Noutra medida anunciada ontem, o Governo decidiu elevar os limites ao rácio dos empréstimos bancários para a compra de habitação no caso de jovens que pretendam adquirir a primeira casa.

Os bancos vão poder emprestar aos residentes permanentes com idades entre os 21 e os 44 anos até 90 por cento do valor da avaliação do imóvel para apartamentos que custem até 3,3 milhões de patacas e, para casas mais caras, avaliadas entre 3,3 milhões e oito milhões de patacas, os empréstimos podem ir até 80 por cento.

Para o director do mercado residencial da JLL, a evolução do mercado imobiliário de Macau vai depender da relação de forças entre as várias medidas anunciadas esta semana.

No que diz respeito à elevação dos limites de concessão de crédito, Jeff Wong entende que a medida vai ter como consequência directa o aumento da procura por apartamentos mais baratos: “Haverá mais transacções para casas com preço inferior a oito milhões, mas nas casas mais caras ou de luxo, acima de oito milhões, as transacções vão ser de um nível relativamente baixo. No geral, diria que as transacções vão aumentar nas casas mais baratas e os preços vão manter-se estáveis”.

Hugo Pinto