Em destaque

25 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,0449 patacas e 1,1156 dólares norte-americanos.

 

Alegações contra Steve Wynn: DICJ reuniu-se com Wynn Macau
Terça, 30/01/2018
A Direcção de Inspecção e Coordenação de Jogos (DICJ) “está atenta” ao caso das alegações, nos Estados Unidos, de assédio e agressão sexuais por parte de Steve Wynn, director executivo da Wynn Resorts. É o que explica ao Jornal Tribuna de Macau o organismo, que ontem se reuniu com representantes da Wynn Macau.

“A DICJ está atenta ao caso, tendo-se reunido hoje, dia 29 de Janeiro, com os líderes do Wynn Macau para compreender a situação”, refere o organismo ao jornal, numa resposta por e-mail.

A DICJ reitera ainda “que o Governo da RAEM está atento às qualificações apropriadas dos principais accionistas, membros da direcção e funcionários em posições chave em casinos das concessionárias de jogo, no que diz respeito à implementação rigorosa das leis”.

De acordo com a agência Bloomberg, que também noticiou a posição da DICJ, a Wynn Macau emitiu, entretanto, um comunicado onde promete cooperar totalmente com a DICJ em todas as diligências que o organismo entenda necessárias.

As alegações de assédio e agressão sexuais por parte de Steve Wynn a trabalhadoras da Wynn Resorts, nos Estados Unidos, foram divulgadas na semana passada pelo The Wall Street Journal, que recolheu dezenas de testemunhos de antigas e actuais funcionárias do grupo liderado pelo magnata.

Na sequência do artigo, as acções da Wynn Resorts caíram na sexta-feira mais de 10 por cento, na Bolsa de Nova Iorque. Ontem, as acções da Wynn Macau, registaram uma quebra de 6,5 por cento.

Steve Wynn considerou “absurdas” as alegações divulgadas pelo jornal, acusando a ex-mulher, Elaine Wynn, com quem trava há anos uma batalha judicial, de ter estado por trás da notícia publicada. Ainda assim, depois da publicação do artigo, Steve Wynn demitiu-se do cargo de responsável das finanças do Partido Republicano dos Estados Unidos.

TDM - Rádio Macau