Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Seguranças à porta das esquadras para libertar agentes
Segunda, 15/01/2018
O Corpo de Polícia de Segurança Pública (CPSP) tem desde o início do mês seguranças privados à porta das principais esquadras. A confirmação foi dada à TDM – Rádio Macau pelo próprio CPSP, que justifica a contratação destes seguranças como uma forma de libertar mais agentes para o trabalho na linha da frente.

A medida abrange os Comissariados Policiais 1, 2 e 3, em Macau, e ainda os Comissariados Policias das Ilhas da Taipa e Coloane. O serviço, adianta o CPSP, é prestado “exclusivamente nas portas principais e laterais”, ou seja, “nas entradas e saídas das instalações”.

Na resposta enviada à rádio, o CPSP explica que a opção surge na sequência da decisão anunciada no relatório das Linhas de Acção Governativa para 2016. Na altura, o Governo referiu que pretendia recrutar “mais pessoal administrativo e de segurança” para libertar agentes policiais para trabalharem na linha da frente, “assegurando a eficiência do serviço de passagem fronteiriça”.

Ainda segundo o CPSP, esse “reforço do pessoal de segurança” teve início em 2015, nos postos fronteiriços das Portas do Cerco e do COTAI, apenas em dias feriados e de festividades. Em 2016, a medida passou a ser implementada diariamente nesses postos fronteiriços, bem como na Sede do Serviço de Migração e no Posto Fronteiriço do Parque Industrial Transfronteiriço Zhuhai-Macau. Agora, em 2018, a medida é alargada às principais esquadras do território.

Sofia Jesus