Em destaque

22 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Macaenses "estão a passar por algum luto"
Sábado, 23/04/2011
A comunidade macaense passou de um sentimento de superioridade para um sentimento de inferioridade face à comunidade chinesa, considerou no Rádio Macau Entrevista, o escritor Miguel Real. “Os macaenses tiveram algum complexo de superioridade face aos chineses, mas na passagem do século e hoje esse complexo de superioridade está a passar para um complexo de inferioridade. Os macaenses consideravam-se superiores à comunidade chinesa - mais trabalhadora, mais servil, que tinha empregos mais mecânicos, mais comerciantes – hoje estão a passar por um certo complexo de inferioridade, porque quem vai lentamente ganhando o poder – e poder agora quer dizer tudo, desde o poder político, ao dinheiro, aos casinos e aos costumes – são precisamente os chineses. O complexo de superioridade está a passar por algum ressentimento, os macaenses talvez estejam a passar por algum luto”, disse na entrevista emitida hoje e que pode voltar a ser ouvida na segunda-feira, a partir das 10,30 horas.

O professor de Filosofia e ficcionista acrescenta que nos contactos que manteve em Macau com membros da comunidade se apercebeu que existe também o fantasma de Hong Kong. “Há um espectro, um fantasma activo na cabeça dos macaenses cada vez que falo com eles: é Hong Kong. Ainda não consegui perceber, mas não há conversa nenhuma que não comece e não acabe em Hong Kong. Há um espécie de gigante, que nos está a assombrar, a tirar a luz do sol”.

Miguel Real mostrou-se, contudo, surpreendido com o que veio encontrar em Macau. “Encontrei mais de Portugal do que estava à espera. Estive um mês e meio em Goa e garanto que em Goa e arredores há 10 por cento de Portugal. Em Macau há uma minoria forte, aguerrida, usada, que faz jus à tradição histórica de Portugal”.

A entrevista com Miguel Real pode ser ouvida na página da Rádio Macau na internet.