Em destaque

21 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.21 patacas e 1.13 dólares norte-americanos.

Conferência da UM faz balanço e futuro da União Europeia
Segunda, 27/11/2017

Desafios para a União Europeia em discussão na Universidade de Macau. A Faculdade de Direito recebe especialistas de todo o Mundo no âmbito dos 60 anos da assinatura do tratado de Roma. A TDM – Rádio Macau foi perceber qual o papel de um projecto em profunda mudança no Velho Continente e que papel tem a China nessa mesma transformação.

 

União Europeia nasceu há 60 anos como um projecto visionário onde a cooperação e igualdade faziam parte dos principais alicerces. Mais de meio século passado os desafios são muitos e, de certo modo, imprevisíveis.

 

Mariana Canotilho, uma das oradoras convidadas, que é docente universitária e também assessora legal do presidente do Tribunal Constitucional de Portugal, falou sobre direitos fundamentais. Sobre o trabalho da China com a União Europeia neste que considera um tema importante, têm-se registado avanços.

 

"A China tem vindo a fazer um esforço óbvio por se aproximar da Europa. Acredito que estamos no bom caminho, mas ainda nos encontramos numa fase muito inicial", disse  Mariana Canotilho.

 

No âmbito da política ambiental, a conferência contou com Paulo Canelas de Castro. O docente da Universidade de Macau enaltece o papel de Pequim na mudança de atitude nos critérios ambientais:

 

"A China tem procurado compreender, em particular, a questão dos rios, de que sofre bastante. A questão ambiental é hoje uma preocupação de todos".

 

O professor universitário acredita que apesar de, no panorama global, não se estar a "atravessar o momento mais feliz" em termos ambientais, há passos importantes que estão a ser dados, como o Acordo de Paris, selado em Abril do ano passado. 

 

A Conferência “60 anos depois do Tratado de Roma – Que futuro para a Europa” decorre até esta terça-feira na Universidade de Macau.

 

 

João Picanço