Em destaque

18 de Abril de 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9,1616 patacas e 1,1296 dólares norte-americanos.

 

Au Kam San: entraves à democracia dificultam unificação
Quinta, 01/03/2012

Au Kam San, deputado da Associação Novo Macau, considera que impedir o desenvolvimento pleno da democracia em Macau vai dificultar o objectivo da China de unificação com Taiwan.

 

Intervindo na sessão que decorreu esta manhã na Nave Desportiva dos Jogos da Ásia Oriental, e que juntou 253 personalidades de Macau para ouvirem as explicações do Comité Permanente da Assembleia Popular Nacional sobre as alterações ao sistema político de Macau, Au Kam San perguntou “como é que é possível a China ter de volta Taiwan e aplicar o princípio ‘um país, dois sistemas’?”

 

De acordo com o deputado, que defende o sufrágio universal para a escolha do Chefe do Executivo, ao manter inalterados os princípios que dizem que o líder do Governo tem que ser escolhido por uma comissão eleitoral e a Assembleia Legislativa tem que ser composta por três grupos de membros, ou seja, por deputados eleitos por sufrágio directo, indirecto e nomeados, “penso que estamos só a criar entraves, barreiras, para obstruir o desenvolvimento do sistema político.”

 

Au Kam San criticou, ainda, as “muitas pessoas andam sempre com esse ‘slogan’ de ‘amar a pátria, amar Macau’ para depois ter uma refeição gratuita, mas isso não é uma boa postura para o desenvolvimento.”, para de seguida concluir que “há quem ache que o princípio de ‘um país, dois sistemas’ também pode prejudicar a unificação da China.”

 

Antes de Au Kam San, Ng Sin Leng, da União Geral das Associações dos Moradores de Macau, tinha defendido que o sistema de sufrágio indirecto devia ser alvo de melhoramentos ou “mesmo ser eliminado, para que os assentos sejam entregues ao sistema do sufrágio directo.”

 

Do lado da Federação das Associações dos Operários de Macau, o presidente Chang Chang Seng defendeu que a Comissão Eleitoral do Chefe do Executivo passe dos actuais 300 para os 400 membros. Quanto à Assembleia Legislativa, os operários querem a fórmula “2+2”, ou seja, mais dois lugares para os deputados eleitos pela via directa e mais dois para os eleitos pela via indirecta, devendo o sector dos nomeados manter-se inalterado.