Em destaque

18 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.20602 patacas e 1.1314 dólares norte-americanos.

Clínica Malo suspensa 6 meses devido a ilegalidades
Sexta, 24/11/2017

O Hospital de Dia Taivex Malo, no Venetian, foi encerrado por um período de seis meses devido a práticas ilegais e sem autorização devida dos Serviços de Saúde. O estabelecimento clínico é suspeito de levar a cabo serviços de oncologia, técnicas de procriação medicamente assistida, tráfico e contrabando de medicamentos destinados ao tratamento oncológico na China Continental. A notícia foi avançada pela TDM-Canal Macau, sendo, depois, confirmada pelos Serviços de Saúde em comunicado.

 

Numa nota à imprensa, ao final da noite, os Serviços liderados por Lei Chin Ion dizem que durante a investigação foi detectada "uma página electrónica na China Continental que publicitava a prestação de serviços de procriação medicamente assistida no Hospital Taivex Malo", a actual designação da clínica.

 

Os Serviços de Saúde falam numa violação "grave" e sancionada com uma multa de 76 mil patacas. Além disso, foram aplicadas multas de 103 mil patacas a quatro médicos e um enfermeiro. A licença de um médico foi suspensa por um período de 90 dias. Segundo os Serviços de Saúde,  "não houve nenhuma vítima resultante desta situação, no entanto não está excluída a possibilidade de uma sanção penal já que o caso foi remetido ao Ministério Público para acompanhamento".

 

No comunicado, os Serviços de Saúde afirmam ter concluído que existem equipamentos da unidade de saúde que "não cumprem com as condições de higiene e segurança necessárias para prestação dos serviços".

 

A suspensão de toda a actividade da Taivex Malo vale para os próximos seis meses. 

 

Segundo o TDM - Canal Macau, a Malo tinha uma placa à porta a indicar "obras de melhorias" durante seis meses. Também nas redes sociais, a clínica fala em obras de remodelação. Os serviços de Saúde confirmam que a clínica tem autorização para proceder a obras de melhoramento, mas sublinham que o espaço não poderá reabrir sem nova vistoria.

 

João Picanço