Em destaque

14 de Fevereiro 2019: às 12h30, o BNU negociava 1 euro por 9.1522 patacas e 1.1278 dólares norte-americanos.

Académica: limitar chumbos “não reflecte” desempenho escolar
Quinta, 23/11/2017

A directora do Centro de Investigação em Educação da Universidade de Macau, Teresa Vong, diz que estabelecer uma taxa máxima de reprovação nas escolas é uma falsa maneira de resolver o problema. Para a académica, o Governo está apenas a encontrar uma forma administrativa para dar a volta aos dados da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), que colocam Macau entre as regiões do mundo com mais chumbos escolares.

 

A proposta do Governo é acabar com as reprovações nos primeiros quatro anos do ensino primário, em 2020. Já do quinto ao sexto ano, a taxa de retenção pode ser de quatro por cento. “Não concordo muito com esta percentagem. Os dados do PISA indicam que Macau tem uma percentagem muito alta de chumbos e o Governo vai reduzir esta taxa através de um meio administrativo. Isto não é muito racional”, comenta Teresa Vong.

 

Em Macau, a taxa de chumbos no ensino não universitário é de 41,2 por cento - quase quatro vezes mais do que a média dos países da OCDE. São números que fazem parte do PISA relativo a 2012, o último a incluir estes dados.  

Teresa Vong explica que Hong Kong, Taiwan e China já aplicam uma taxa semelhante à que está a ser proposta pela Direcção dos Serviços de Educação e Juventude – uma percentagem que para a académica não faz sentido uma vez que “não reflecte bem o desempenho dos estudantes”. No limite, a administração “pode chegar a uma taxa zero” e simplesmente “não chumbar”.

 

A académica defende ainda que a medida vai colocar muita pressão junto das escolas, professores e pais.

 

A DSEJ diz que um dos objectivos é não usar o chumbo como uma forma de levar os alunos a aprender mais. Teresa Vong não vê vantagens pedagógicas. “Não chumbar deve ser o objectivo da Educação. Mas, para evitar os chumbos, onde nos devemos concentrar é na melhoria do sistema de ensino. Temos de ir procurar as causas que levam ao chumbo”, frisa.

 

O contexto familiar é um dos factores com peso no sucesso escolar, de acordo com a académica. Mas faltam dados: Vong sugere que seja feito um estudo detalhado sobre os métodos de ensino e capacidade de aprendizagem no ensino primário.

 

Sónia Nunes